"Explosão" no metro de Londres provoca susto e alguns ferimentos. Polícia investiga

Uma mochila começou a arder no interior de uma carruagem. Quando as portas abriram na estação de Parsons Green as pessoas atropelaram-se para sair por receio de um atentado terrorista

Uma mochila começou a arder, pelas 8.25, tendo deflagrado um pequeno incêndio numa das composições do metro de Londres. Houve alguns feridos, com queimaduras, porque até o metro parar na estação seguinte nada havia a fazer.

Os relatos, citados pela imprensa local, referem a existência de uma "explosão" numa carruagem do metro. As imagens já disponíveis nas redes sociais mostram o que parece ser um saco de plástico a arder e um balde de plástico, além de uma mochila preta.

Muitos passageiros referem também que ouviram gritos na altura em que os ocupantes das composições tentavam sair da estação através das escadas de saída e que alguns apresentavam ferimentos.

"Creio que estavam feridos pelo artefacto ou por uma coisa parecida", disse aos jornalistas Richar Aymler-Hall, um homem de 53 anos que viajava no comboio afetado.

A estação foi encerrada e a linha (District Line) foi cortada.

A polícia está no local a investigar o sucedido e os serviços de emergência enviaram vários meios de socorro. "A nossa prioridade é verificar a dimensão e natureza dos ferimentos", dizem.

(VEJA AQUI A INFORMAÇÃO ATUALIZADA SOBRE ESTE INCIDENTE)

(Atualizada às 10:05, como novos dados acerca dos testemunhos)

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.