ETA vai anunciar a sua dissolução a 5 de maio

A cerimónia deverá acontecer em Bayona, no País Basco francês. Ainda são desconhecidos os termos exatos que a ETA vai empregar para divulgar a sua dissolução

A organização separatista basca ETA vai anunciar a sua dissolução no dia 5 de maio, durante uma cerimónia marcada para Bayona, no País Basco francês, disseram à agência Efe fontes conhecedoras do processo.

Na sexta-feira vai ser convocada uma conferência de imprensa da organização Bake Bidea, em Iparralde, no sudoeste francês, na qual se anunciará "um evento" de alcance internacional a realizar em Bayona, para o qual vão ser convidados instituições, como o governo basco, partidos políticos e sindicatos.

Apesar de estas fontes desconhecerem os termos exatos que a ETA vai empregar para divulgar a sua dissolução, o anúncio vai acontecer em 5 de maio, garantiram.

Na conferência de imprensa vão estar dirigentes do Bake Bidea, do Fórum Social e do Grupo Internacional de Contacto (GIC).

Por outro lado, fontes do governo basco declararam que, de momento, não vão participar "em especulações nem sobre prazos, nem sobre cenarizações" e que se pronunciarão quando ocorrer uma decisão da ETA.

A televisão pública basca (ETB) noticiou na tarde de quarta-feira a intenção da ETA anunciar a sua dissolução no primeiro fim de semana de maio.

A 8 de abril último, o líder da EH Bildu, Arnaldo Otegi, anunciou em Bayona, a propósito do primeiro aniversário do desarmamento da ETA, que esta iria dar "novos passos" nas próximas semanas e nos próximos meses.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

Diário de Notícias

A ditadura em Espanha

A manchete deste dia 19 de setembro de 1923 fazia-se de notícias do país vizinho: a ditadura em Espanha. "Primo de Rivera propõe-se governar três meses", noticiava o DN, acrescentando que, "findo esse prazo, verá se a opinião pública o anima a organizar ministério constitucional". Explicava este jornal então que "o partido conservador condena o movimento e protesta contra as acusações que lhe são feitas pelo ditador".