Imigrantes irregulares baixaram para quase metade

Tunisinos e eritreus foram as duas nacionalidades mais representadas na rota do Mediterrâneo central

O número de passageiros irregulares a querer entrar na União Europeia diminuiu 43% nos primeiros sete meses de 2018, comparativamente a 2017. Foram detetadas 73 500 passagens nas quatro principais rotas migratórias europeias.

Os dados são da Frontex (Agência Europeia da Guarda das Fronteiras), que justifica a diminuição com a menor pressão na rota do mediterrânica central (Itália e Grécia). Em julho, foram detetadas 14 900 passagens irregulares, 18% menos do que no mesmo mês do ano passado.

Itália é o principal destino na rota do Mediterrâneo central, número que caiu 83% em julho (1900) comparativamente ao mesmo mês de 2017. O total de migrantes detetados nesta rota nos primeiros sete meses de 2018 caiu para cerca de 18.200.

Os tunisinos e os eritreus foram as duas nacionalidades mais representadas nessa rota, representando juntas mais de um terço de todos os migrantes detetados no país.

Em contrapartida, o número de migrantes que chegam a Espanha quadruplicou, tendo a fronteira marítima espanhola sido responsável por mais de metade das deteções: 8800 em julho. É a rota do mediterrâneo ocidental e que registou 23 mil travessias irregulares, o dobro do ano passado.

Eram imigrantes de Marrocos, Guiné e Mali, na sua grande maioria.

Um terço das deteções foi registado no mediterrâneo oriental (Turquia), 4 mil em julho, 17% menos do que no mês anterior. É uma inversão da tendência verificada no início do ano, já que nos primeiros sete meses referenciaram 29 500, mais 75% do que no ano passado

A principal rota migratória nos Balcãs Ocidentais da Sérvia para a Hungria e a Croácia continua a ver um baixo número de irregulares. Estão a afirmar-se rotas paralelas, via Albânia, Montenegro e Bósnia e Herzegovina, bem como da Sérvia à Bósnia-Herzegovina, que registaram um aumento da pressão migratória.

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.