Ilha de plástico 21 vezes o tamanho de Portugal nas águas do Pacífico

Organização norte-americana detetou uma quantidade impressionante de lixo junto das zonas costeiras do Chile e do Peru

Parece mentira, mas é verdade. Uma equipa de cientistas da Algalita Marine Research Foundation, uma organização sem fins lucrativos sedeada em Long Beach nos Estados Unidos, realizou uma expedição durante meio ano nas águas do Pacífico, perto da zona costeira de Chile e Peru, onde descobriu uma quantidade de lixo, todo ele em plástico, 20 vezes superior ao território de Portugal.

Para se ter uma ideia o plástico estava estendido por uma área superior a dois milhões de quilómetros quadrados - Portugal continental tem uma área ligeiramente acima dos 92 mil quilómetros quadrados - o que levou os cientistas e alguma comunicação social a usarem o termo "ilha de plástico".

De acordo com os oceanógrafos, a maioria dos plásticos detetados não está visível o que pode provocar não só um problema ambiental mas também uma eventual contaminação junto da cadeia alimentar de espécies marinhas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.