Igreja pede perdão por "cumplicidades, ambiguidades e omissões" face à ETA

A organização terrorista prepara-se para anunciar o seu fim. Antes, pediu desculpa pelas "mortes e sofrimento" causados. A Igreja respondeu depois

A Igreja reagiu à redenção da organização separatista basca ETA. Em comunicado, os responsáveis católicos de Pamplona-Tudela, Baiona, Bilbau, Vitória e San Sebastián também recordam as vítimas da violência, em particular os que morreram em atentados que continuam impunes.

Admitem que houve "cumplicidades, ambiguidades e omissões", nas comunidades católicas, face à violência da organização terrorista e pedem "perdão" por esse facto.

"A desejada dissolução da ETA oferece novas possibilidades para a normalização, que deveriam ser aproveitadas por todos", lê-se. E alertam para a persistência de "ideologias totalitárias e idolátricas" que alimentam a intolerância humana.

A organização separatista basca ETA, que vai anunciar o seu fim a 5 de maio, durante uma cerimónia marcada para Bayonne, no País Basco francês, pediu desculpa pelos "60 anos de história de morte e sofrimento" que provocaram com os seus múltiplos atentados.

"Causamos muita dor e danos irreparáveis, queremos mostrar o nosso respeito aos mortos, feridos e vítimas das ações da ETA. Lamentamos muito", declarou a organização, num comunicado divulgado pelos jornais Gara e Berria.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz amanhã, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.