Igreja pede perdão por "cumplicidades, ambiguidades e omissões" face à ETA

A organização terrorista prepara-se para anunciar o seu fim. Antes, pediu desculpa pelas "mortes e sofrimento" causados. A Igreja respondeu depois

A Igreja reagiu à redenção da organização separatista basca ETA. Em comunicado, os responsáveis católicos de Pamplona-Tudela, Baiona, Bilbau, Vitória e San Sebastián também recordam as vítimas da violência, em particular os que morreram em atentados que continuam impunes.

Admitem que houve "cumplicidades, ambiguidades e omissões", nas comunidades católicas, face à violência da organização terrorista e pedem "perdão" por esse facto.

"A desejada dissolução da ETA oferece novas possibilidades para a normalização, que deveriam ser aproveitadas por todos", lê-se. E alertam para a persistência de "ideologias totalitárias e idolátricas" que alimentam a intolerância humana.

A organização separatista basca ETA, que vai anunciar o seu fim a 5 de maio, durante uma cerimónia marcada para Bayonne, no País Basco francês, pediu desculpa pelos "60 anos de história de morte e sofrimento" que provocaram com os seus múltiplos atentados.

"Causamos muita dor e danos irreparáveis, queremos mostrar o nosso respeito aos mortos, feridos e vítimas das ações da ETA. Lamentamos muito", declarou a organização, num comunicado divulgado pelos jornais Gara e Berria.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).