Igreja homenageia vítimas de abusos sexuais cometidos por padres

A Igreja Católica da Bélgica participou hoje numa "jornada de reconhecimento" pelas vítimas de abusos sexuais cometidos por padres, sete anos depois de um grande escândalo de pedofilia que atingiu a organização no país.

Uma cerimónia pública foi realizada na basílica nacional de Koekelberg, ao norte de Bruxelas, no âmbito da iniciativa de uma associação de vítimas, em colaboração com dirigentes da hierarquia católica na Bélgica.

As vítimas e responsáveis religiosos falaram diante de uma centena de pessoas que se reuniram na basílica, onde foi instalada uma estátua do artista belga Ingrid Rosschaert, batizada de "Esse est Percipi" (Para existir, é para ser reconhecido), representando um pequeno robe branco de criança.

Este dia deve mostrar a vontade da Igreja "de resistir a uma cultura de silêncio e de abafamento", disse o cardeal Jozef De Kesel no seu discurso.

Sempre que falamos nos media sobre o abuso sexual de menores por parte pessoas da igreja, há vítimas que se manifestam, então estou certo de que depois deste dia, há vítimas que se irão manifestar

Em abril de 2010, o antigo bispo de Brugges, Roger Vangheluwe, confessou ter abusado de dois de seus sobrinhos e renunciou ao cargo. No processo, milhares de testemunhos de abuso dentro da Igreja, durante décadas na Bélgica, foram relatados.

Acusada de ter escondido o caso, a Igreja belga iniciou em 2012 uma política mais transparente, incluindo centros de contacto nas dioceses para receber vítimas.

Desde 2012, a Igreja da Bélgica pagou várias indemnizações às vítimas de factos prescritos, num total de quase 4,13 milhões de euros, de acordo com um responsável da Conferência Episcopal belga.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.