Igreja Católica pede a Maduro para revogar estado de exceção na Venezuela

Igreja considera "perigo" o estado de exceção e recordar que "nem nos momentos mais difíceis" Hugo Chávez o decretou

A Igreja Católica pediu na quarta-feira ao Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, para revogar o estado de exceção e emergência económica que decretou a 12 de maio por considerar que é "perigoso" e "negativo" para o país.

"O estado de exceção não ajuda em nada a resolver os problemas dos venezuelanos, pelo contrário, agrava a situação política, social e económica. É um decreto extremamente negativo e, portanto, deve ser levantado de imediato", disse o arcebispo de Caracas, Jorge Urosa Savino, num comunicado.

No texto, lembra que "nem sequer nos momentos mais difíceis, em abril de 2002 [quando o ex-Presidente Hugo Chávez foi afastado temporariamente do poder] e em janeiro de 2003 [greve geral], o Presidente Hugo Chávez decretou o Estado de Exceção".

O documento questiona o Executivo sobre qual a razão por que "deve ser aplicado agora, quando o que existe é uma situação de escassez de alimentos e medicamentos que se deve resolver de outra maneira".

O cardeal pergunta ainda "quais são as razões para governar mediante um estado de exceção".

Para a Igreja Católica, o decreto é "extremamente perigoso" por conceder poderes extraordinários ao chefe de Estado, como contrair créditos sem controlo do parlamento, e porque dá poderes a organizações civis em matéria de segurança pública.

Por outro lado, insta a autoridades venezuelanas a recorrer ao diálogo para superar a crise, vincando que o Governo "não pode continuar a atacar permanentemente o setor privado, ameaçando com expropriar mercadorias, empresas, armazéns, viaturas de carga".

"Há uma situação difícil devido à falta de divisas para comprar e para importar equipamentos e matéria-prima que não se produz no país. Em vez de atacar, deve-se apoiar os grandes produtores de alimentos e de medicamentos", lê-se no mesmo comunicado.

A Igreja condena também o anúncio de terça-feira de Nicolás Maduro de que vai processar judicialmente a direção do parlamento por "traição à pátria" e por usurpar as funções do chefe de Estado ao ter solicitado à Organização de Estados Americanos que ative a Carta Democrática para a Venezuela.

"Não se trata de traição à pátria e de acusar livremente a direção da Assembleia Nacional para ocultar a realidade do país, há que dar uma solução ao povo que está sofrendo, no meio de uma crise humanitária", sublinha.

Exclusivos

Premium

Líderes europeus

As divisões da Europa 30 anos após o fim da Cortina de Ferro

Angela Merkel reuniu-se com Viktor Orbán, Emmanuel Macron com Vladimir Putin. Nos próximos dias, um e outro receberão Boris Johnson. E Matteo Salvini tenta assalto ao poder, enquanto alimenta a crise do navio da ONG Open Arms, com 107 migrantes a bordo, com a Espanha de Pedro Sánchez. No meio disto tudo prepara-se a cimeira do G7 em Biarritz. E assinala-se os 30 anos do princípio do fim da Cortina de Ferro.