Igreja Católica cria fundo de compensação monetária para pessoas abusadas por padres

Programa de compensação monetária da Arquidiocese de Nova Iorque deverá abranger as mais de 170 pessoas que denunciaram casos de abusos sexuais nos últimos 40 anos

A Arquidiocese da Igreja Católica de Nova Iorque anunciou esta quinta-feira que vai criar um programa de compensação financeira para pessoas abusadas sexualmente por padres.

Segundo o cardeal e arcebispo Timothy Dolan, vai demorar cerca de quatro meses para as mais de 170 vítimas de casos dos últimos 40 anos receberam a compensação monetária e não há limites do valor máximo a ser atribuído, segundo o canal NBC.

O cardeal afirmou num comunicado que a arquidiocese já começou a contactar aqueles que denunciaram situações de abuso e descreveu as vítimas como "sobreviventes" de um pecado "repugnante" e que "tem ferido gravemente a igreja".

O grupo de apoio Rede de Sobreviventes Abusados por Padres criticou o plano da arquidioceses dizendo que "é muito pouco e demasiado tarde".

O programa de compensação vai ser gerido pelo advogado Kenneth Feinberg, que foi responsável por gerir o fundo federal de compensação à vítimas do 11 de setembro, nos Estados Unidos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

E uma moção de censura à oposição?

Nos últimos três anos, o governo gozou de um privilégio raro em democracia: a ausência quase total de oposição. Primeiro foi Pedro Passos Coelho, que demorou a habituar-se à ideia de que já não era primeiro-ministro e decidiu comportar-se como se fosse um líder no exílio. Foram dois anos em que o principal partido da oposição gritou, esperneou e defendeu o indefensável, mesmo quando já tinha ficado sem discurso. E foi nas urnas que o país mostrou ao PSD quão errada estava a sua estratégia. Só aí é que o partido decidiu mudar de líder e de rumo.

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.