Igreja católica adere a plano de indemnizações a vítimas de pedofilia na Austrália

O programa prevê um máximo de 150.000 dólares australianos para cada vítima

A igreja católica anunciou esta quarta-feira que vai juntar-se ao plano de indemnizações às vítimas de pedofilia na Austrália, uma das recomendações da comissão que analisou a resposta das instituições do país a estes abusos.

"Apoiamos as recomendações da comissão para um plano de compensação nacional administrado pelo Estado (australiano) e estamos dispostos a participar nele", disse o presidente da Conferência Australiana dos Bispos Católicos, Mark Coleridge.

As vítimas "merecem justiça. Muitos deram um passo em frente para contar as suas histórias", acrescentou o arcebispo Coleridge em comunicado.

A instituição indicou que o seu apoio ao plano tem por objetivo "limitar futuros traumas dos sobreviventes dos abusos".

A igreja católica é a primeira instituição não-governamental do país a aderir ao plano, anunciado em dezembro, e ao qual quase todos os estados e territórios da Austrália já aderiram.

O programa prevê um máximo de 150.000 dólares australianos (112.636 dólares ou 97.365 euros) para cada vítima como compensação pelo abuso sexual sofrido em instituições do país.

A comissão que investigou a resposta institucional à pedofilia na Austrália descobriu que a igreja católica, com fortes raízes no país, recebeu denúncias de 4.500 pessoas por alegados abusos por 1.880 irmãos e padres entre 1980 e 2015.

O anúncio da adesão ao plano de compensação surge na sequência da condenação do arcebispo de Adelaide, Philip Wilson, por encobrir os abusos cometidos por um padre na década de 1970.

Também o cardeal George Pell, "número três" do Vaticano, enfrenta um julgamento cujos detalhes não podem ser revelados até que o processo termine por ordem judicial.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?