Igreja católica adere a plano de indemnizações a vítimas de pedofilia na Austrália

O programa prevê um máximo de 150.000 dólares australianos para cada vítima

A igreja católica anunciou esta quarta-feira que vai juntar-se ao plano de indemnizações às vítimas de pedofilia na Austrália, uma das recomendações da comissão que analisou a resposta das instituições do país a estes abusos.

"Apoiamos as recomendações da comissão para um plano de compensação nacional administrado pelo Estado (australiano) e estamos dispostos a participar nele", disse o presidente da Conferência Australiana dos Bispos Católicos, Mark Coleridge.

As vítimas "merecem justiça. Muitos deram um passo em frente para contar as suas histórias", acrescentou o arcebispo Coleridge em comunicado.

A instituição indicou que o seu apoio ao plano tem por objetivo "limitar futuros traumas dos sobreviventes dos abusos".

A igreja católica é a primeira instituição não-governamental do país a aderir ao plano, anunciado em dezembro, e ao qual quase todos os estados e territórios da Austrália já aderiram.

O programa prevê um máximo de 150.000 dólares australianos (112.636 dólares ou 97.365 euros) para cada vítima como compensação pelo abuso sexual sofrido em instituições do país.

A comissão que investigou a resposta institucional à pedofilia na Austrália descobriu que a igreja católica, com fortes raízes no país, recebeu denúncias de 4.500 pessoas por alegados abusos por 1.880 irmãos e padres entre 1980 e 2015.

O anúncio da adesão ao plano de compensação surge na sequência da condenação do arcebispo de Adelaide, Philip Wilson, por encobrir os abusos cometidos por um padre na década de 1970.

Também o cardeal George Pell, "número três" do Vaticano, enfrenta um julgamento cujos detalhes não podem ser revelados até que o processo termine por ordem judicial.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).