Igreja anglicana recebeu mais de mil denúncias de pedofilia

Dos 569 presumíveis pedófilos identificados, 247 eram padres e 285 laicos, indica relatório, que assinala ainda que 94% dos agressores eram homens

A igreja anglicana australiana recebeu 1.115 denúncias de abusos sexuais alegadamente perpetrados por 569 dos seus membros entre 1980 e 2015, segundo dados divulgados hoje.

Um relatório entregue à comissão governamental que investiga a resposta institucional aos abusos sexuais de menores que, a partir de hoje, se centra na igreja anglicana, indica que as denúncias foram apresentadas por 1.082 sobreviventes, 75% dos quais são do sexo masculino.

A média de idade dos rapazes vítimas de abusos era 7,4 anos, enquanto a das raparigas era 8 anos.

Dos 569 presumíveis pedófilos identificados, 247 eram padres e 285 laicos, desconhecendo-se o estatuto de outros 37, de acordo com relatório obtido pela agência noticiosa espanhola Efe, no qual se assinala que 94% dos agressores eram homens.

Segundo as queixas apresentadas, a maioria das vítimas foi pela primeira vez alvo de abusos na década de 1970, os quais continuaram durante uma média de três anos e meio, sobretudo em orfanatos e em casas residenciais.

O documento também indica que a igreja anglicana pagou cerca de 24 milhões de dólares (22 milhões de euros) em indemnizações relativas a 459 queixas de abusos sexuais denunciados entre 1980 e 2015.

Antes da audiência, o arcebispo anglicano, Philip Freier, expressou a consternação da sua igreja diante das revelações da comissão e da magnitude dos danos infligidos às vítimas no seio da instituição, que já pediu desculpa pelos abusos cometidos em 2004.

"Estamos profundamente envergonhados por ter dececionado os sobreviventes, pela forma como atuámos e por termos falhado em agir", afirmou Freier em comunicado.

A secretária do sínodo geral da igreja anglicana australiana, Anne Hywood, sublinhou que está claro que a instituição que representa não atuou sempre em prol da proteção das crianças.

"Não acreditámos naqueles que denunciaram e tentámos silenciá-los (...). Preocupou-nos mais a reputação da igreja do que aqueles que sofreram danos", lamentou a responsável na sessão da comissão, realizada em Sydney, citada pela agência noticiosa australiana AAP.

A comissão apresentou os dados dos abusos no seio da igreja anglicana mais de um mês depois de ter revelado os relativos à igreja católica da Austrália, que recebeu 4.444 denúncias de alegados abusos de menores entre 1980 e 2015, praticados por 1.880 dos seus membros, entre os quais 572 sacerdotes.

A comissão governamental foi criada em 2012 para investigar a resposta das autoridades aos casos de abusos sexuais de menores cometidos em instituições públicas, sociais, desportivas e religiosas.

A comissão publicou no ano passado um relatório com 99 recomendações, incluindo a adoção de um plano de compensações de 4.000 milhões de dólares australianos (2.845 milhões de euros), que englobaria indemnizações, tratamentos psicológicos e a resposta das instituições.

A comissão propunha que o plano fosse financiado pelas instituições onde foram cometidos os abusos ou pelos governos -- caso tivessem ocorrido em instalações públicas ou perante o desaparecimento das organizações não-governamentais.

A 04 de novembro, o Governo da Austrália anunciou que vai indemnizar cada vítima de abusos sexuais perpetrados no seio de instituições públicas e religiosas do país com até 150.000 dólares australianos (107.000 euros).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Pode a clubite tramar um hacker?

O hacker português é provavelmente uma história à portuguesa. Rapaz esperto, licenciado em História e especialista em informática, provavelmente coca-bichinhos, tudo indica, toupeira da internet, fã de futebol, terá descoberto que todos os estes interesses davam uma mistura explosiva, quando combinados. Pôs-se a investigar sites, e-mails de fundos de jogadores, de jogadores, de clubes de jogadores, de agentes de jogadores e de muitas entidades ligadas a esse estranho e grande mundo do futebol.

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.