Igor o Russo, o mais procurado em Itália, preso em Espanha após homicídios

Ex-militar sérvio matou duas pessoas em Itália e desapareceu durante meses, deixando populações em pânico. Foi detido esta sexta-feira, após assassinar três pessoas, incluindo dois polícias, em Espanha

Chama-se Norbert Feher, tem nacionalidade sérvia, mas é conhecido como Igor o Russo. Foi detido na madrugada desta sexta-feira em Espanha, em Cantavieja, Aragão, depois de assassinar três pessoas, um engenheiro agrónomo e dois agentes da Guardia Civil, mas em Itália era procurado desde o início do mês de abril: matara o dono de um bar em Budrio, na província de Bolonha, e um guarda florestal poucos dias depois.

A polícia perdeu-lhe o rasto e, desde essa altura, era procurado até pelos serviços secretos italianos. A fuga terminou esta sexta-feira em Espanha, onde uma patrulha da Guardia Civil o apanhou na estrada. Seguia a pé, após ter tido um acidente com a carrinha em que fugira e, segundo a imprensa espanhola, entregou-se sem oferecer resistência. O homem de 41 anos estava fortemente armado e tinha com ele, inclusivamente, as armas que roubara aos agentes da Guardia Civil que assassinara oito horas antes.

Tudo começou em Itália a 1 de abril, conta o El País. Igor o Russo entrou num bar e ameaçou de morte o proprietário, exigindo-lhe o dinheiro da caixa. O homem aproximou-se dele e conseguiu tirar-lhe a arma, mas acabou morto: Igor sacou de uma pistola e deu-lhe um tiro no peito. O sérvio estava em Itália desde 2006, mas já tinha sido preso durante oito anos. O bom comportamento na cadeia permitiu-lhe cumprir menos 21 meses. Assim que saiu, participou num roubo com agressão sexual, antes de matar o dono do bar. Dias depois deste homicídio, matou também um guarda-florestal italiano, deixando ferido um colega deste. Começou então a caça ao homem, nas províncias de Ferrara e Bolonha, com participação do exército, recurso a cães pisteiros e até drones.

A investigação viria a revelar que Igor o Russo era extremamente perigoso e usava técnicas militares para despistar os perseguidores. O ex-militar sérvio é ainda perito em tiro com arco, artes marciais e no manejamento de armas de fogo - o que explica que fosse capaz de matar os agentes da Guardia Civil espanhola ainda que estes estivessem protegidos com coletes antibalas.

Em Itália, a caça ao homem deixou as populações em pânico: nas zonas onde a polícia julgava que Igor podia estar escondido, os vizinhos deixavam no exterior das casas comida e bebida, para que ele não os ameaçasse. Um médium chegou a oferecer-se para dar pistas à polícia sobre o paradeiro do criminoso, que começou a ser avistado um pouco por todo o país.

Perante o histerismo nacional, o ministro do Interior italiano, Marco Minniti, prometeu que Igor seria capturado e que a polícia não descansaria até encontrá-lo. O governante já veio entretanto agradecer a detenção às autoridades espanholas. "Foi uma situação bastante dramática", disse, citado pelo jornal Corriere della Sera, acrescentando que as autoridades italianas colaboraram com a polícia espanhola: um grupo das operações especiais dos Carabinieri tinha estado em Espanha recentemente para assinalar locais onde se suspeitava que o criminosos pudesse estar escondido. A investigação italiana alargou-se igualmente à Áustria e à Hungria, países onde Igor deixara contactos.

Durante o inquérito para encontrar o ex-militar sérvio, a polícia italiana conseguiu relacioná-lo com um outro homicídio, cometido em Ferrara em abril de 2015: um reformado foi morto durante um assalto à casa onde vivia. As armas usadas denunciaram o agressor.

Em Espanha, Igor o Russo foi localizado durante as buscas para encontrar o suspeito de um tiroteio inexplicado que aconteceu a 5 de dezembro na zona de Teruel, em Aragão. Desde esse dia que a Guardia Civil montara um importante dispositivo policial na região e contava com o apoio de alguns latifundiários que auxiliavam os agentes nas operações. O sérvio estava escondido numa quinta e não hesitou em disparar quando se sentiu cercado. Morreram dois agentes da Guardia Civil e um engenheiro florestal que os acompanhava por conhecer bem a região.

Igor fugiu e acabou por ser detido oito horas depois. A nacionalidade do homem foi confirmada por Itália através de impressões digitais enviadas por Espanha, já que o sérvio não está a colaborar com as autoridades.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.