Iglesias critica Sánchez: "Levou 24 horas a esquecer quem o ajudou"

Secretário-geral do Podemos não disfarça mal-estar pelo facto de o novo primeiro-ministro ter optado por um governo minoritário do PSOE. Iglesias lembrou a Sánchez que quem o ajudou a derrotar Mariano Rajoy foi o seu partido, não o Ciudadanos ou o PP

Não há apoios grátis. Foi isso que esta quinta-feira fez questão de lembrar ao novo primeiro-ministro de Espanha, Pedro Sánchez, o secretário-geral do Podemos, Pablo Iglesias.

"Formou um governo com gente que agrada ao Ciudadanos e ao Partido Popular e sem ninguém que seja próximo de nós. É uma declaração de princípios. Sánchez sorriu a Mariano Rajoy e a Albert Rivera e levou apenas 24 horas a esquecer-se de quem o ajudou a tornar-se chefe do governo", declarou Pablo Iglesias na TVE. "Quem o tornou primeiro-ministro não foi nem Rivera nem Rajoy mas sim nós".

O líder do Podemos referia-se ao facto de a moção de censura do PSOE de Sánchez contra Rajoy ter sido aprovada, há uma semana, com a ajuda do Unidos Podemos (Podemos e Esquerda Unida), PNV, EH Bildu, ERC, PDeCAT, Compromís e do Nova Canárias). Isto porque os socialistas só têm 84 deputados no Parlamento, num total de 350 eleitos (e para aprovar a moção precisavam de pelo menos 176, tendo conseguido 180).

"Passar pela Moncloa com o governo mais débil da história de Espanha vai ser provavelmente um calvário para Sánchez", prosseguiu, insistindo na ameaça que já anteriormente fizera: "Se não estivermos no governo então estaremos na oposição".

Criticando a composição do Executivo espanhol, minoritário, feminista, europeísta, Iglesias deu o exemplo do novo ministro do Interior Fernando Grande-Marlaska. "Um ministro que parece do PP", afirmou em entrevista à TVE. Conhecido pela sua luta contra o Batasuna e contra a ETA (tal como o ex-juiz Baltasar Garzón), Fernando Grande-Marlaska é o primeiro ministro da democracia espanhola assumidamente homossexual.

As declarações de Iglesias contra o novo primeiro-ministro, cujo governo tomou esta quinta-feira posse na presença do rei Felipe VI de Espanha, só vêm mostrar que um dos principais desafios do líder socialista é a estabilidade política e parlamentar.

Outro grande desafio, admitiu esta quinta-feira o novo ministro dos Negócios Estrangeiros, Josep Borrell, é a deriva independentista a que se tem assistido na Catalunha. "São tempos difíceis. A Espanha enfrenta, talvez, o maior problema que pode enfrentar um país: o da sua integridade territorial", disse Borrell, que é catalão, na cerimónia oficial de transferência da pasta dos Negócios Estrangeiros do seu antecessor Alfonso Dastis.Ex-presidente do Parlamento Europeu (PE), Borrell também defendeu que "a UE enfrenta uma crise".

A sua nomeação já foi criticada pelos partidos independentistas catalães que há uma semana apoiaram a moção de censura de Sánchez contra Rajoy. "Começamos mal. Não é uma má notícia. É uma péssima notícia para nós", declarou o atual presidente da Generalitat Quim Torra. Também Carles Puigdemont, ex-presidente catalão, atualmente exilado em Berlim, criticou Borrell.

Do lado dos bascos e navarros, o porta-voz da EH Bildu no Parlamento de Navarra, Adolfo Araiz, afirmou que a sua coligação dará cem dias ao governo de Sánchez antes de o julgar, mas não deixou de criticar igualmente as nomeações de Marlaska e Borrell. "[O ministro dos Negócios Estrangeiros] "desclassificou toda a atuação do processo catalão e por isso não é a pessoa adequada".

O responsável da EH Bildu referia-se ao facto de Borrell ter afirmado, em dezembro de 2017, durante a campanha para as eleições autonómicas catalãs antecipadas que "era preciso desinfetar a Catalunha antes de coser feridas". Foi num comício dos socialistas catalães, em que fez declarações irónicas sobre o líder da ERC Oriol Junqueras: "A mim faz-me lembrar um padre lá da minha terra, têm a mesma arquitetura física e mental".

Apesar dos primeiros sinais internos apontarem para a instabilidade, mais tarde ou mais cedo, a Comissão Europeia indicou ontem que está preparada para trabalhar com o novo governo espanhol. "Estamos prontos para trabalhar com o novo governo", disse na conferência de imprensa diária um porta-voz do executivo comunitário. Alexander Winterstein lembrou ainda que o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, já falou com Sánchez, tendo-o convidado a visitar Bruxelas. Idêntico convite fez o presidente do PE, Antonio Tajani.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O FMI, a Comissão Europeia e a direita portuguesa

Os relatórios das instituições internacionais sobre a economia e a política económica em Portugal são desde há vários anos uma presença permanente do debate público nacional. Uma ou duas vezes por ano, o FMI, a Comissão Europeia (CE), a OCDE e o Banco Central Europeu (BCE) - para referir apenas os mais relevantes - pronunciam-se sobre a situação económica do país, sobre as medidas de política que têm vindo a ser adotadas pelas autoridades nacionais, sobre os problemas que persistem e sobre os riscos que se colocam no futuro próximo. As análises que apresentam e as recomendações que emitem ocupam sempre um lugar destacado na comunicação social no momento em que são publicadas e chegam a marcar o debate político durante meses.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.