Hungria quer colocar sob detenção todos os refugiados

Candidatos a pedidos de asilo ficam impedidos de se movimentarem livremente pelo país. Em 2016, foram apresentados 29 mil pedidos para fixar residência na Hungria.

Governo de Viktor Örban planeia colocar sob detenção naquilo que classifica como "abrigos" todos os refugiados que se candidatem a asilo na Hungria. A medida aplica-se enquanto decorre o processo de avaliação da candidatura e, segundo o executivo de Budapeste, visa impedir que deixem ou se desloquem livremente pelo país.

Em 2016, foram apresentados mais de 29 mil pedidos de asilo na Hungria. Não é conhecido o número de pedidos a serem aceites.

A proposta tem de ser submetida a Bruxelas, sendo de antecipar que encontre a resistência da Comissão Europeia, mas o porta-voz do governo, Zoltán Kovács, justificou a decisão com a necessidade de "controlar o que está a acontecer dentro das nossas fronteiras ou nas da Europa". Atualmente, os candidatos a pedidos de asilo têm liberdade de movimentos, inclusive aqueles que aguardam a decisão de recursos sobre pedidos rejeitados.

Kovács recusou classificar aqueles "abrigos" como centros de detenção e explicou que, a qualquer momento, os refugiados poderão regressar aos países de origem.

A Hungria tem sido um dos países procurados pelos migrantes e refugiados provenientes do Norte de África e do Médio Oriente e que procuram chegar a outros pontos da Europa.

As regras da União Europeia especificam que candidatos a asilo não podem ser detidos a não ser "em condições excecionais claramente especificadas".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.