Hungria pode retaliar com ação legal contra Bruxelas

Órban afirma que a votação no Parlamento Europeu, que abriu procedimento disciplinar contra a Hungria por violar o Estado do Direito, será "inválida" por não ter tido em conta as abstenções

A Hungria pode ripostar contra a União Europeia, avisou esta sexta-feira o primeiro-ministro do país, Viktor Orbán, segundo noticia o Politico, abrindo a porta a uma ação legal contra Bruxelas.

Para Órban, a votação no Parlamento Europeu, na última quarta-feira, abrindo um procedimento disciplinar do chamado Artigo 7 contra a Hungria por violar o Estado do Direito, será "inválida" por não ter tido em conta as abstenções, enquanto acusou a chanceler alemã, Angela Merkel, que pertence à sua "família" política europeia, o PPE, de tentar minar a capacidade do país de defender suas fronteiras.

Uma maioria de dois terços dos deputados europeus votou pela abertura desse procedimento, com os serviços jurídicos do Parlamento Europeu a recordarem um precedente legal de que não é necessário contar as abstenções para determinar uma maioria de dois terços.

Em declarações à rádio estatal húngara, citadas pelo Politico, nesta sexta-feira, Orbán reiterou as objeções do governo de Budapeste ao processo, dizendo que espera um "debate legal sério" sobre a decisão. O primeiro-ministro questionou as motivações do Parlamento Europeu para investigar a Hungria.

"No Parlamento Europeu de hoje, há uma clara maioria pró-migração", disse o primeiro-ministro, conhecido por atacar a política de migração da UE e associar criminalidade aos refugiados.

Órban afirmou mesmo que os deputados estão a tentar mudar a composição da população da Europa. "Precisamos de um novo Parlamento Europeu e outro futuro", disse o governante húngaro, enquanto acusava a UE de apoiar financeiramente organizações não-governamentais.

Já o embaixador da Hungria na UE, Olivér Várhelyi, tinha enviado uma carta ao presidente do Parlamento Europeu, Antonio Tajani, no início da semana que a Hungria questionaria a validade do resultado da votação no Tribunal de Justiça Europeu, se necessário.

Ler mais

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."