Hungria exige demissão do Alto-Comissário da ONU para os Direitos Humanos

Zeid Ra'ad Al Hussein disse que os "xenófobos e os racistas estão destituídos de qualquer sentimento de vergonha" e deu o exemplo de Viktor Orban

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Hungria exigiu hoje a demissão do Alto-Comissário da ONU para os Direitos Humanos, Zeid Ra'ad Al Hussein, por ter acusado o primeiro-ministro húngaro, Viktor Orban, de xenofobia e racismo.

"É muito desadequado altos responsáveis da ONU acusarem Estados membros e dirigentes eleitos democraticamente. É evidente que Zeid Al Hussein deve demitir-se", declarou o ministro Peter Szijjarto num discurso inflamado no Conselho de direitos Humanos das Nações Unidas, em Genebra.

Szijjarto referia-se ao discurso de abertura da 37.ª sessão do Conselho, pronunciado horas antes pelo Alto-Comissário.

Na intervenção, Al Hussein afirmou que "a opressão está na moda, o estado securitário está de volta e as liberdades fundamentais estão moribundas", frisando que, na Europa, os "xenófobos e os racistas estão destituídos de qualquer sentimento de vergonha, como Viktor Orban, que disse este mês que não quer que a sua cor [de pele] se misture com outras".

O ministro húngaro ficou surpreendido quando, ao iniciar a sua intervenção, reparou que o Alto-Comissário não estava presente na sala para ouvir a sua resposta.

"Onde está o Alto-Comissário agora? Porque não ouve as reações dos Estados membros?", questionou.

O ministro prosseguiu afirmando considerar que comparar o governo do seu país "às piores ditaduras do século passado é simplesmente inaceitável": "A Hungria é um país húngaro e pretendemos mantê-lo assim, como é nosso direito".

"A migração é perigosa. Podemos pará-la e devemos pará-la", acrescentou, alegando que a chegada "maciça" de migrantes à Europa em 2015 "permitiu às organizações terroristas enviar os seus combatentes para a Europa".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.