Hungria de Viktor Orbán sob pressão do Parlamento Europeu

Um debate com a presença do primeiro-ministro húngaro antecedeu a votação, que decorre nesta quarta-feira, na qual os eurodeputados vão decidir se abrem um processo contra o país, o que seria uma ação inédita do Parlamento.

A autora do relatório sobre a situação do estado de direito na Hungria, Judith Sargentini, já falava quando o primeiro-ministro daquele país entrou no hemiciclo de Estrasburgo. A própria tomou a iniciativa de parar e de recomeçar, mas não sem antes fazer um reparo. "Gostava de apertar-lhe a mão, mas chegou atrasado para o debate."

A falta de pontualidade foi o menor dos males cometidos por Viktor Orbán, pelo que se ouviu de seguida. "Perseguiu migrantes, refugiados e minorias como os ciganos. Há indivíduos no governo que beneficiam dos fundos europeus e dos contribuintes. Infelizmente nada melhorou desde que o relatório foi votado em junho na Comissão Europeia."

E há mais, muito mais: a alteração da Constituição, a interferência no poder judicial, a perseguição aos media, à autonomia académica, a restrição de liberdades como a religiosa ou de associação fazem parte da lista de temas que tiraram a Hungria do clube dos países de plena democracia e da vigência do Estado de direito.

E como os valores europeus estão em risco de violação grave na Hungria, considera a comissão parlamentar das Liberdades Cívicas, da Justiça e dos Assuntos Internos que se deve votar na quarta-feira à tarde para que o plenário proponha ao Conselho da UE a tomada de medidas previstas neste cenário. Isto é, o desencadear do artigo 7.º do Tratado europeu.

"O que se passa na Hungria não é violador de um princípio da União Europeia, é violador de algo universal, que é a base dos direitos humanos", disse Marisa Matias

É a primeira vez que o PE elabora e vota um relatório que pode espoletar este procedimento. Para ser aprovado em plenário, o documento precisa de uma maioria de dois terços dos votos, ou seja, 376.

A partir daí o Conselho, por maioria qualificada, poderá suspender alguns dos direitos de Budapeste, como por exemplo o direito de voto.

"O Parlamento tem a obrigação de pedir a ativação do artigo 7.º. O que se passa na Hungria não é violador de um princípio da União Europeia, é violador de algo universal, que é a base dos direitos humanos", considera Marisa Matias, a deputada do Bloco de Esquerda.

Teste ao Partido Popular Europeu

A primeira coisa que Orbán disse face aos deputados europeus foi que a decisão da maioria estava tomada e que o relatório será aprovado. Mas na véspera, antes da reunião do Partido Popular Europeu, a que pertence o partido de Orbán, o Fidész, nada estava garantido.

Para a deputada do PS Ana Gomes este é essencialmente um teste ao PPE, a maior família política do PE. Destaca os alemães da CSU, cuja demarcação da extrema-direita do AfD é "cosmética", responsabiliza Angela Merkel pela sua "indulgência" e a lógica dos grandes interesses, "o que explica que um dos conselheiros de Orbán seja o deputado Mário David, que foi homem de mão de Durão Barroso".

O social-democrata Paulo Rangel faz questão de separar as águas. "O PSD sempre votou desde 2011 todas as resoluções que condenam a Hungria, ao lado normalmente das delegações holandesa, sueca, finlandesa, e nos últimos anos, das delegações romena e polaca."

"Lamento que não haja o mesmo procedimento para dois governos socialistas: a Eslováquia, onde jornalistas foram assassinados por investigarem corrupção ligada ao governo, e a Roménia", assumiu Paulo Rangel

"As medidas isoladas nem sempre eram extraordinárias, mas todas juntas fazem um ambiente de democracia iliberal, que o próprio Viktor Orbán assume", comenta Rangel, que como vice-presidente do Partido Popular Europeu assume a defesa da suspensão do partido Fidész.

Rangel aproveita para chamar a atenção para outros casos. "Lamento que não haja o mesmo procedimento para dois governos socialistas: a Eslováquia, onde jornalistas foram assassinados por investigarem corrupção ligada ao governo, e a Roménia. Em todos, como na Polónia, há um grande ataque ao sistema judicial."

Hipocrisia e inação

O deputado comunista João Pimenta Lopes vai bastante mais longe, ao entender que a degradação das condições de vida não é um exclusivo da Hungria. E que "há uma profunda hipocrisia por parte da UE e por parte daqueles que apresentam este tipo de posicionamentos, porque são eles próprios veículos promotores da degradação das condições de direitos sociais, laborais e outros direitos fundamentais. Não podemos comungar com ações de branqueamento da UE em torno destes grandes valores", afirma.

Pimenta Lopes dá como exemplos de hipocrisia política a incorporação de políticas criticadas na Hungria, como a das migrações, e adotadas no Conselho Europeu, ou o "papel ativo no regime fascista que vigora na Ucrânia".

"Nunca teríamos chegado a este estado se a Comissão tivesse agido há muito tempo, quando o Rui Tavares foi o relator do primeiro relatório sobre a Hungria", diz Ana Gomes. "Se nessa altura tivesse agido certamente não teríamos assistido aos desafios do grupo de Visegrado relativamente ao que foi acordado em Conselho sobre os refugiados, a todo um conjunto de ações violadoras tendentes a perverter os princípios e valores europeus até chegar a este ponto em que Orbán é o baluarte, ao aliar-se a Salvini e com Putin para destruir a solidariedade na UE, uma coligação xenófoba e racista", comenta Ana Gomes.

A relatora Judith Sargentini relevou que os deputados europeus têm a "obrigação de proteger os cidadãos da UE" e como a "Hungria não está a cumprir o Tratado", é hora de agir.

"Mais grave do que o tempo para tomar medidas é a naturalização e a neutralização de políticas racistas e xenófobas nas declarações das instituições europeias. Não é uma questão burocrática, é política", afirma por sua vez Marisa Matias.

A relatora Judith Sargentini concluiu a sua intervenção ao relevar que os deputados europeus têm a "obrigação de proteger os cidadãos da UE" e como a "Hungria não está a cumprir o Tratado", é hora de agir.

Depois da deputada do grupo dos Verdes, deputados de quatro comissões (controlo orçamental, educação e cultura, direitos das mulheres e assuntos constitucionais) demoliram o regime de Orbán.

Também o representante da Comissão Europeia, Frans Timmermans se fez ouvir. "Infelizmente, a Comissão partilha das conclusões do relatório", disse, tendo concluído que não haverá concessões.

"Insulto à Hungria", diz Orbán

Impassível, o primeiro-ministro húngaro fez a sua defesa ao afirmar que o voto "não vai ser contra um governo, mas contra um país". E que país: uma das "nações cristãs milenares, que lutou contra o maior exército do mundo, o soviético".

Sobre o relatório, afirmou que foi feito "com dois pesos e duas medidas", "sem dados concretos" e com "alegações enganosas".

Concluiu que o problema é que a "Hungria vai ser condenada por não querer ser um país de imigração", mas o país "não vai sucumbir a essa chantagem" e que no fim vai "voltar a dotar a política europeia de mais democracia

O jornalista viajou a convite do Parlamento Europeu

Ler mais

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.