Hungria condenada por detenção e expulsão de dois refugiados

Os indivíduos, oriundos do Bangladesh, requereram asilo às autoridades de Budapeste

O Tribunal Europeu dos Direitos Humanos condenou esta terça-feira a Hungria pela detenção irregular e expulsão com risco de tratamento desumano de dois refugiados oriundos do Bangladesh que requereram asilo, quando chegaram à fronteira sérvio-húngara, às autoridades de Budapeste.

Os dois migrantes passaram pela Grécia, Macedónia e Sérvia antes de terem chegado à zona fronteiriça de Roszke (Hungria), onde ficaram detidos durante 23 dias.

Após terem feito o pedido de asilo, os migrantes foram expulsos para a Sérvia, que segundo um decreto governamental húngaro de 2015 é considerado um país "seguro".

A instância judicial europeia deliberou hoje que a Hungria violou os direitos à liberdade e à segurança e condenou o executivo de Budapeste a indemnizar cada um dos migrantes com 10 mil euros por danos morais e dar uma compensação conjunta de 8.705 euros por gastos.

Esta decisão contraria a tese do governo húngaro, que considerou legal a detenção e que qualificou como "inconcebível" o facto de os migrantes terem espaço de manobra para recorrer judicialmente da sua detenção.

O tribunal europeu considerou ainda que, embora as condições físicas da detenção tenham sido "aceitáveis", a Hungria não forneceu a proteção necessária aos requerentes de asilo quando os enviou de volta para a Sérvia.

No território sérvio, segundo a deliberação da instância judicial europeia, os requerentes foram expostos a uma série de expulsões sucessivas que poderia levá-los novamente para a Grécia, onde "foram acolhidos em condições desumanas e degradantes".

As autoridades húngaras também não fizeram uma avaliação individual aos requerentes, que não sabem ler, bem como interrogaram e deram informações aos dois homens numa língua que estes desconheciam.

O Tribunal Europeu dos Direitos Humanos, com sede em Estrasburgo, tem pendentes deliberações de pelo menos outros dois casos relacionados com a expulsão de migrantes em Melilla (cidade autónoma espanhola situada em continente africano) em 2015.

Um desses casos é o do camaronês Albert Julio Doumbe Nnabuchi, que se queixou do tratamento que recebeu depois de ter caído da barreira fronteiriça entre Marrocos e Espanha e de ter sido levado inconsciente para a fronteira e expulso para o território marroquino.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.