HRW avisa que China quer manipular a Interpol

HRW pede à Interpol que garanta neutralidade sob liderança de alto quadro chinês

A Human Rights Watch (HRW) pediu hoje à Interpol que aborde na sua próxima Assembleia Geral a emissão de alertas de detenção e extradição contra dissidentes chineses, que "põe em causa a neutralidade" da polícia internacional.

Meng Hongwei, vice-chefe do aparelho de Segurança chinês, que inclui tribunais, polícia e polícia secreta, foi nomeado presidente da Organização Internacional de Polícia Criminal (Interpol) no ano passado, provocando críticas de várias organizações internacionais, face à possível perda de neutralidade na organização.

A Interpol assegura que opera de acordo com as normas internacionais dos direitos humanos, mas a China já demonstrou a sua disposição em manipular o sistema

A organização de defesa dos Direitos Humanos enviou uma carta à polícia internacional para que a questão seja debatida na sua 86ª Assembleia Geral, que decorre em Pequim, a partir de terça-feira, e reunirá chefes da polícia e especialistas em segurança de todo o mundo.

Durante o encontro, será abordada a luta contra o terrorismo, a delinquência organizada e o cibercrime, visando uma maior cooperação entre diferentes agências.

A HRW alerta que a credibilidade da Interpol "está em jogo", sob o mandato de Meng, apontando que a China emitiu já "alertas vermelhos" com motivações políticas e tendo como alvo a extradição de dissidentes e ativistas

As detenções arbitrárias, torturas e desaparecimentos ocorridos no passado "geram preocupações de que quem é alvo de alertas da Interpol pela China corre o risco de sofrer torturas e maus tratos".

A organização recordou o caso do ativista uigur Dolkun Isa e do ativista Wang Zaigang, ambos alvos "alertas vermelhos".

A Interpol tem de explicar como evitará converter-se numa arma do Governo chinês no estrangeiro

Com sede em Lyon, França, a Interpol faz a ligação entre polícias de 190 países membros, com o objetivo de apoiar no combate à criminalidade além-fronteiras.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.