Houthis e coligação árabe em luta pelo porto de Hodeida

Dezenas de mortos ao segundo dia da ofensiva que levou à reunião de hoje do Conselho de Segurança da ONU.

Ao segundo dia de uma ofensiva para retomar Hodeida aos houthis, os combates mataram 39 rebeldes e forças pró-governamentais às portas da cidade portuária do Iémen. Aos relatos de civis aterrorizados a tentar fugir da cidade, acresce o receio de que fique em risco o abastecimento de oito milhões de iemenitas, caso o porto seja atingido.

As forças leais ao governo do Iémen, apoiadas por ataques aéreos da Arábia Saudita e dos Emirados Árabes Unidos, afirmaram ter ultrapassado a primeira linha de defesa dos rebeldes.

Os Emirados alegaram que a operação - apelidada de Vitória Dourada - chegou a uma área a menos de dez quilómetros do aeroporto.

Mas segundo fontes militares e médicas precisaram à AFP, os combates ocorreram a dois quilómetros da entrada do aeroporto de Hodeida, localizado na saída sul desta cidade, crucial para a entrega de ajuda humanitária no país em guerra.

O porto de águas profundas de Hodeida, no Mar Vermelho, é a base de onde alimentos, água e medicamentos são distribuídos a mais de oito milhões de iemenitas, e há um medo generalizado de que os combates resultem na destruição da infraestrutura do porto, seja pelas minas dos houthis, seja pelos ataques aéreos dirigidos pelos Emirados Árabes Unidos.

Conselho de Segurança reúne-se
A questão da ajuda humanitária - da qual depende a população do país mais pobre do Médio Oriente - é motivo de preocupação para a comunidade internacional e está no centro da reunião de hoje do Conselho de Segurança da ONU.

O enviado da ONU para o Iémen, Martin Griffiths, apelou à "moderação" e disse estar em contacto com todas as partes interessadas "para negociar acordos". O secretário de Defesa dos EUA, Jim Mattis, transmitiu-lhe "forte apoio" para levar "todas as partes para a mesa de negociações", segundo o porta-voz do Pentágono, Adrian Rankine-Galloway, que lembrou o papel "crucial" do porto de Hodeida para a entrega de ajuda humanitária.

A guerra no Iémen foi iniciada em 2015 quando os rebeldes houthis, xiitas apoiados por Teerão, ocuparam vastas regiões do país, incluindo a capital. A resposta de apoio ao governo deu-se através de uma coligação liderada pela Arábia Saudita - rival do Irão. O conflito matou cerca de 10 mil pessoas em mais de três anos.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O voluntariado

A voracidade das transformações que as sociedades têm sofrido nos últimos anos exigiu ao legislador que as fosse acompanhando por via de várias alterações profundas à respetiva legislação. Mas há áreas e matérias em que o legislador não o fez e o respetivo enquadramento legal está manifestamente desfasado da realidade atual. Uma dessas áreas é a do voluntariado. A lei publicada em 1998 é a mesma ao longo destes 20 anos, estando assim obsoleta perante a realidade atual.