Hospital deixa de funcionar devido à falta de combustível

Os pacientes tiveram de ser transferidos para outra unidade hospitalar

O hospital palestiniano de Beit Hanun, no norte da faixa de Gaza, deixou de funcionar devido à falta de combustível e terá de transferir os seus pacientes para outros estabelecimentos, indicaram hoje as autoridades de saúde locais.

O caso ilustra a escassez de eletricidade vivida há anos no enclave palestiniano sob bloqueio israelita e egípcio.

O hospital de Beit Hanun servia cerca de 60 mil pessoas, precisou Ashraf al-Qudra, porta-voz do Ministério da Saúde do governo de Gaza.

Os dois milhões de habitantes da faixa de Gaza só contam com algumas horas de eletricidade por dia através da rede pública.

Numerosas habitações e serviços recorrem a geradores, como acontecia no hospital de Beit Hanum, que precisa, segundo al-Qudra, de 500 litros de combustível por dia para funcionar.

A faixa de Gaza, controlada pelo movimento radical islâmico Hamas, necessita de 500 megawatts de eletricidade por dia, mas dispõe de menos de metade.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).