Hospital deixa de funcionar devido à falta de combustível

Os pacientes tiveram de ser transferidos para outra unidade hospitalar

O hospital palestiniano de Beit Hanun, no norte da faixa de Gaza, deixou de funcionar devido à falta de combustível e terá de transferir os seus pacientes para outros estabelecimentos, indicaram hoje as autoridades de saúde locais.

O caso ilustra a escassez de eletricidade vivida há anos no enclave palestiniano sob bloqueio israelita e egípcio.

O hospital de Beit Hanun servia cerca de 60 mil pessoas, precisou Ashraf al-Qudra, porta-voz do Ministério da Saúde do governo de Gaza.

Os dois milhões de habitantes da faixa de Gaza só contam com algumas horas de eletricidade por dia através da rede pública.

Numerosas habitações e serviços recorrem a geradores, como acontecia no hospital de Beit Hanum, que precisa, segundo al-Qudra, de 500 litros de combustível por dia para funcionar.

A faixa de Gaza, controlada pelo movimento radical islâmico Hamas, necessita de 500 megawatts de eletricidade por dia, mas dispõe de menos de metade.

Ler mais

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.