Honolulu vai multar peões que atravessem a rua distraídos com o telemóvel

A multa pode chegar aos 35 dólares, cerca de 30 euros. Número de atropelamentos em Honolulu é o mais alto em duas décadas

A cidade de Honolulu, no Estado do Havai, deixou de tolerar os peões absortos e distraídos pelos telemóveis e a partir de quarta-feira vai multá-los, se atravessarem a rua a ler ou a escrever no aparelho eletrónico.

A multa pode chegar aos 35 dólares (30 euros).

Esta é a primeira grande cidade norte-americana a atacar os 'zombies dos telemóveis', como são designados estes peões agarrados aos seus ecrãs, que se tornaram um verdadeiro problema de saúde pública.

Assinado no final de julho pelo presidente da Câmara de Honolulu, Kirk Caldwell, esta medida entre em vigor na quarta-feira e estipula que "nenhum peão tem o direito de atravessar uma rua ou uma via rápida a olhar para um aparelho eletrónico".

O peão é porém autorizado a falar ao telefone, desde que olhe em frente e ao seu redor.

"É uma legislação simbólica que coloca a fasquia muito alta em termos de segurança", tinha explicado Brandon Elefante, membro do conselho municipal, citado pelo New York Times, no momento da assinatura desta medida, da qual foi o promotor.

No ano passado, mais de seis mil peões foram mortos por viaturas, o que representa um crescimento de 11% em relação a 2015 e 22% face a 2014, segundo a associação dos governadores de Estado para a segurança das autoestradas, no que é também o número mais alto de acidentes mortais com peões em duas décadas.

Esta subida foi atribuída pela associação "à distração", tanto dos automobilistas como dos peões, "devido ao aumento crescente da utilização dos smartphones".

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Os deuses das moscas

Com a idade, tendemos a olhar para o passado em jeito de balanço; mas, curiosamente, arrependemo-nos sobretudo do que não fizemos nem vamos já a tempo de fazer. Cá em casa, tentamos, mesmo assim, combater o vazio mostrando um ao outro o que foi a nossa vida antes de estarmos juntos e revisitando os lugares que nos marcaram. Já fomos, por exemplo, a Macieira de Cambra em busca de uma rapariga com quem o Manel dançara um Verão inteiro (e encontrámo-la, mas era tudo menos uma rapariga); e, mais recentemente, por causa de um casamento no Gerês, fizemos um desvio para eu ir ver o hotel das termas onde ele passava férias com os avós quando era adolescente. Ainda hoje o Manel me fala com saudade daqueles julhos pachorrentos, entre passeios ao rio Homem e jogos de cartas numa varanda larga onde as senhoras inventavam napperons e mexericos, enquanto os maridos, de barrigas fartas de tripas e francesinhas no ano inteiro, tratavam dos intestinos com as águas milagrosas de Caldelas. Nas redondezas, havia, ao que parece, uma imensidão de campos; e, por causa das vacas que ali pastavam, os hóspedes não conseguiam dar descanso aos mata-moscas, ameaçados pelas ferradelas das danadas que, não bastando zumbirem irritantemente, ainda tinham o hábito de pousar onde se sabe.