Homenagem a vítima portuguesa dá início a cerimónias evocativas

François Hollande descerrou uma placa no Estádio de França, onde morreu Manuel Dias, a primeira vítima dos ataques de há um ano

O presidente francês, François Hollande, abriu hoje as cerimónias evocativas do primeiro aniversário dos atentados em Paris, revelando uma placa no Estádio de França, a norte de Paris, onde foi morta a primeira das 130 vítimas dos 'jihadistas'.

O chefe de Estado descerrou a placa, colocada na porta D do estádio, em Saint-Denis, em homenagem ao português Manuel Dias, de 63 anos, morto pela explosão de uma bomba ativada por um terrorista suicida.

Depois de um minuto de silêncio, o filho de Manuel Dias leu um emotivo texto que terminou com "Viva a tolerância, viva a inteligência, viva a França".

Hollande esteve neste primeiro ato com Didier Paillard, presidente da câmara de Saint-Denis, cidade da periferia norte de Paris, onde está localizado o Estádio de França, e boa parte do Governo, incluindo o primeiro-ministro, Manuel Valls.

Passados cerca de 20 minutos, Hollande saiu de Saint-Denis em direção ao distrito X da capital francesa, concretamente aos terraços de bares e aos restaurantes onde há um ano também houve ataques dos 'jihadistas' e onde se juntou àpresidente da Câmara de cidade, Anne Hidalgo.

Estão previstas cerimónias similares, solenes e sem discursos oficiais, em cada um dos locais onde morreram pessoas devido aos atentados, designadamente no Carillon e no Petit Cambodge, depois no Bonne Bière, no Comptoir Voltaire, no Belle Équipe e, por último, no Bataclan.