Homem suspeito de matar o cardiologista de George H. W. Bush suicidou-se

Joseph Pappas terá morto o médico a 20 de julho por vingança, pois a sua mãe morreu há mais de 20 anos numa operação realizada pelo cardiologista do antigo presidente norte-americano. Cercado pela polícia, optou por acabar com a própria vida

Joseph Pappas, de 62 anos, o homem suspeito de ter assassinado o médico do antigo presidente norte-americano George H. W. Bush foi encontrado morto esta segunda-feira, depois de a polícia se ter deslocado a sua casa em Houston, no estado do Texas, para o prender. O homem terá cometido suicídio depois de um confronto com a polícia, revela o jornal inglês The Guardian.

Pappas estava acusado da morte de Mark Hausknecht no dia 20 de julho, quando o médico cardiologista seguia de bicicleta para o Houston Methodist hospital. As autoridades desconfiam que o suspeito teria morto o médico por vingança pela morte da mãe, que morreu durante uma operação realizada por Hausknecht há mais de 20 anos.

De acordo com o chefe da polícia de Houston, Pappas matou-se com um tiro na cabeça, numa altura em que a polícia tentava entrar na casa para o prender. O suspeito foi encontrado com um colete anti-balas vestido.

A polícia chegou até Pappas depois de uma investigação que durou cinco dias, já que o suspeito colocou à venda três armas de fogo e munições que estavam em seu nome. A polícia não atuou de imediato, preferindo seguir os passos de Pappas durante alguns dias até ter a certeza de que se tratava do autor do homicídio.

No ano 2000, Mark Hausknecht assistiu o ex-presidente George H. W. Bush depois de este se ter queixado de tonturas e batimentos cardíacos fora do normal, passando desde então a ser o seu médico cardiologista.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.

Premium

Opinião

Investimento estrangeiro também é dívida

Em Abril de 2015, por ocasião do 10.º aniversário da Fundação EDP, o então primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, afirmava que Portugal "precisa de investimento externo como de pão para a boca". Não foi a primeira nem a última vez que a frase seria usada, mas naquele contexto tinha uma função evidente: justificar as privatizações realizadas nos anos precedentes, que se traduziram na perda de controlo nacional sobre grandes empresas de sectores estratégicos. A EDP é o caso mais óbvio, mas não é o único. A pergunta que ainda hoje devemos fazer é: o que ganha o país com isso?