Homem suspeito de matar o cardiologista de George H. W. Bush suicidou-se

Joseph Pappas terá morto o médico a 20 de julho por vingança, pois a sua mãe morreu há mais de 20 anos numa operação realizada pelo cardiologista do antigo presidente norte-americano. Cercado pela polícia, optou por acabar com a própria vida

Joseph Pappas, de 62 anos, o homem suspeito de ter assassinado o médico do antigo presidente norte-americano George H. W. Bush foi encontrado morto esta segunda-feira, depois de a polícia se ter deslocado a sua casa em Houston, no estado do Texas, para o prender. O homem terá cometido suicídio depois de um confronto com a polícia, revela o jornal inglês The Guardian.

Pappas estava acusado da morte de Mark Hausknecht no dia 20 de julho, quando o médico cardiologista seguia de bicicleta para o Houston Methodist hospital. As autoridades desconfiam que o suspeito teria morto o médico por vingança pela morte da mãe, que morreu durante uma operação realizada por Hausknecht há mais de 20 anos.

De acordo com o chefe da polícia de Houston, Pappas matou-se com um tiro na cabeça, numa altura em que a polícia tentava entrar na casa para o prender. O suspeito foi encontrado com um colete anti-balas vestido.

A polícia chegou até Pappas depois de uma investigação que durou cinco dias, já que o suspeito colocou à venda três armas de fogo e munições que estavam em seu nome. A polícia não atuou de imediato, preferindo seguir os passos de Pappas durante alguns dias até ter a certeza de que se tratava do autor do homicídio.

No ano 2000, Mark Hausknecht assistiu o ex-presidente George H. W. Bush depois de este se ter queixado de tonturas e batimentos cardíacos fora do normal, passando desde então a ser o seu médico cardiologista.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.