Homem que abusou de namorada do amigo ilibado por estar sonâmbulo

Um homem que alegou que estava sonâmbulo quando agrediu sexualmente a namorada do amigo foi considerado inocente. Os juízes do Tribunal de York absolveram-no por insanidade.

O acaso aconteceu no Reino Unido a 17 de abril de 2017, segundo noticia a imprensa inglesa. Kelly, o homem em causa, esteve com o amigo e a mulher numa discoteca. Regressaram de táxi a casa já de madrugada.

Pelo caminho Kelly adormeceu e depois foi direto para o seu quarto. Uma hora depois, estava na cama do casal e a agredir sexualmente a mulher, que chamou a polícia. Foi acusado de "agressão sexual por penetração", mas alegou que estava a sonhar e pensava estar com outra mulher.

Foi esta a justificação que sempre deu, desde o primeiro momento em que teve de deixar a casa do amigo, a quem enviou mensagens: "Juro que não tenho a menor ideia do que aconteceu, ainda estou à espera de acordar e descobrir que sonhei".

Dois anos depois, Kelly foi absolvido por motivos de insanidade. O júri considerou ter sido provado que o homem, de 21 anos, tem sofrido episódios de parassonia desde a infância, um distúrbio do sono que pode incluir sonambulismo.

Quando ouviu o veredito, após duas horas de deliberação, Kelly baixou a cabeça e chorou. A decisão será confirmada, ou não, a 23 de setembro, data marcada para a leitura da sentença.

O juiz Simon Hickey descreveu o caso como "incomum" e disse que as hipóteses de condenação estavam limitadas a uma ordem hospitalar, uma ordem de supervisão ou uma alta absoluta. "Este não foi um caso fácil e não é um caso simples, é um caso incomum", afimrou.

Adiou a sentença para que o conselho de especialistas pudesse ser ouvido. Justificou que os médicos acreditavam que o "transtorno mental" de Kelly era tratável e precisava ser tratado.

Kelly, de Dalton-le-Dale, no condado de Durham, pagou uma fiança e aguarda a leitura da sentença em liberdade condicional.