Homem morto a tiro por polícia gera confrontos em Chicago

Quatro manifestantes foram presos e alguns polícias sofreram ferimentos ligeiros. Polícia diz que homem baleado aparentava estar armado

Um homem morreu após ser baleado por um polícia em Chicago, um incidente que gerou confrontos entre as forças de segurança norte-americanas e uma multidão que acorreu ao local, em protesto, informaram as autoridades locais.

Larry Merritt, porta-voz do corpo de bombeiros, disse que o homem foi baleado na noite de sábado no bairro de South Shore e transportado para o Hospital Jackson Park, onde foi declarado morto.

A polícia informou que quatro manifestantes foram presos e vários polícias ficaram levemente feridos durante os confrontos.

O chefe de patrulha da polícia de Chicago, Fred Waller, disse numa conferência de imprensa que a multidão atirou garrafas e pulou em cima de uma viatura das forças de segurança e que alguns carros foram danificados.

A polícia de Chicago informou ainda que o homem que foi baleado mortalmente "exibia características de uma pessoa armada" e que os polícias tentaram interrogá-lo.

O Chicago Sun-Times noticiou a existência de confrontos entre manifestantes e a polícia, que isolou a área.

A polícia não deu outros detalhes sobre o confronto.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Tempo de fugir de casa para regressar à terra

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.