Homem em pânico liga à polícia porque estava a ser perseguido... por um porco

Animal ficou "detido" no canil da polícia

As autoridades do estado norte-americano de Ohio receberam uma chamada na madrugada deste sábado que julgaram ser a de alguém sob o efeito de álcool. O telefonema de um homem que, assustado, dizia estar a ser perseguido por um porco. A polícia julgou que ou o homem tinha bebido em demasia ou estava a sofrer uma alucinação, mas quando chegaram ao local perceberam que, afinal, o porco era real.

A história foi contada pela própria polícia na sua página de Facebook.

A "vítima", que não foi identificada e estava completamente sóbria, estava mesmo a ser seguida por um porco e não sabia o que fazer, revelou o Departamento de Polícia de North Ridgeville.

Um agente conseguiu "arrastar" o animal para a traseira de carro de polícia e até tirou uma fotografia para registar o momento insólito.

O porco foi levado para o canil da polícia antes de ser devolvido ao proprietário na manhã de domingo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.