Homem condenado por matar seis pinguins

Foram ainda encontrados sem vida nove pinguins, mas o tribunal não conseguiu determinar a causa da morte

Um homem de 20 anos foi condenado a pagar uma multa no valor de 52 euros e a fazer 49 horas de serviço comunitário depois de matar seis pinguins na Austrália.

De acordo com informações de uma juíza do estado australiano da Tasmânia, citadas pelo jornal ABC, Joshua Leigh Jeffrey cometeu "um ato cruel contra pinguins vulneráveis" e não mostrou quaisquer remorsos. "Eles eram um alvo fácil", disse Tamara Jago.

Joshua estava acompanhado por outro homem no momento do crime. Ambos mataram um grupo de pinguins de espécie pequena à paulada na praia Sulphur Creek no dia 1 de janeiro de 2016. Foram ainda encontrados sem vida nove pinguins, porém o tribunal não foi capaz de definir a causa da morte.

O advogado de defesa afirmou em tribunal que o seu cliente sofre de doença mental desde criança

Eric Woehler, da associação Birds Tasmania, considerou esta decisão judicial como injusta. "Isto não vai impedir a próxima pessoa de fazer exatamente a mesma coisa no futuro. Os pequenos pinguins merecem a nossa proteção e preocupação, e eu tenho a certeza que a comunidade da Tasmânia não quer que um ataque destes se repita", criticou.

De acordo com o jornal, Greg Richardson, advogado de defesa, afirmou em tribunal que o seu cliente sofre de doença mental desde criança.

A crueldade animal na Tasmânia tem uma pena máxima de cinco anos de prisão e o pagamento de uma multa no valor de 20 mil euros.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.