Homem avança com carro sobre multidão e fere nove em Tóquio

Nove pessoas ficaram feridas, uma delas com gravidade, depois de um homem ter deliberadamente avançado com o seu carro sobre uma multidão que celebrava o Ano Novo numa rua de Tóquio, anunciou a polícia da capital japonesa.

Kazuhiro Kusakabe, de 21 anos, lançou, com "intenção de matar", a viatura contra as pessoas que estavam na rua Takeshita, no bairro de Harajuku, apenas dez minutos depois da meia-noite, declarou à AFP um porta-voz da polícia.

Segundo a estação de televisão NHK, Kusakabe disse à polícia que agiu assim como forma de "retaliação contra a pena de morte", sem dar mais detalhes.

As imagens da televisão mostravam o carro, um pequeno modelo a bordo do qual o jovem viajou desde Osaka, oeste do Japão, com a frente esmagada e o para-brisas partido. Segundo meios de comunicação social locais, foi encontrada dentro do carro uma lata de querosene.

Um estudante ficou gravemente ferido e foi transportado para o hospital, onde foi submetido a uma cirurgia, informou o porta-voz da polícia, adiantando que Kazuhiro Kusakabe foi preso por tentativa de homicídio.

De acordo com jornais japoneses, Kusakabe atingiu um total de nove pessoas na rua Takeshita, que na altura estava fechada ao trânsito e estava cheia de pessoas reunidas para celebrar a chegada do Ano Novo.

A rua Takeshita é considerada o centro da juventude e da moda no Japão, atraindo dezenas de milhares de turistas diariamente.

De acordo com as primeiras indicações, não há nenhum estrangeiro entre os feridos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?