Atirador que disparou em complexo de cinemas alemão abatido pela polícia

Indivíduo terá feito reféns antes de ser neutralizado pelas autoridades. Polícia diz não existirem feridos. Ainda não se sabe qual a identidade do homem e os motivos para o ataque

Um homem armado terá feito disparos num cinema na cidade alemã de Viernheim, próxima de Frankfurt, avançam as agências internacionais. Segundo a AP, que cita uma declaração do ministro do Interior do estado de Hesse, Peter Beuth, à imprensa local, o indivíduo já foi abatido, apesar de haver ainda poucos pormenores sobre o que terá acontecido.

Inicialmente, as autoridades confirmaram apenas uma "situação de ameaça", sem dar mais detalhes da situação no complexo de cinemas Kinopolis, no centro comercial de Rhein-Neckar. Segundo a agência Reuters, que cita a declaração de uma porta-voz da polícia ao canal alemão N-TV, o indivíduo terá efetivamente feito reféns antes de ser abatido, mas não há outros feridos a registar. E a polícia já avançou que não se registaram feridos.

Inicialmente, a imprensa alemã dizia que podia haver entre 20 a 50 feridos em resultado do ataque, acrescentado que o homem tinha entrado na sala de cinema com uma máscara a cobrir-lhe a face e transportando um cinto de explosivos.

Alguns meios de comunicação referem que os ferimentos reportados advêm da exposição das pessoas que estavam no cinema a gás lacrimogéneo, mas a informação não foi confirmada oficialmente. O homem está a ser descrito como "perturbado".

A polícia traçou um perímetro de segurança em torno do complexo e proibiu a circulação na área.

O incidente começou cerca das 15:00 locais (14:00 em Lisboa), refere a televisão pública do estado de Hesse. A porta-voz da polícia, Christiane Kompus, afirmou que "houve uma situação de ameaça e o homem foi abatido por um colega". Acrescentou, segundo a Sky News, que ainda não se conhece a identidade do homem e quais foram os seus motivos.

(Notícia atualizada às 18:28)

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.