Hollande expressa solidariedade ao Egipto após ataque a igreja cristã copta

O presidente francês, François Hollande, manifestou hoje solidariedade com o Egipto, após o atentado no interior de uma igreja cristã copta na cidade egípcia de Tanta, norte do Cairo, no qual morreram pelo menos 26 pessoas, segundo a Associated Press.

Numa declaração escrita, após o ataque de hoje, Hollande afirmou que "mais uma vez, o Egipto é atingido por terroristas que querem destruir sua unidade e diversidade".

Hollande sublinhou que a França "mobiliza todas as suas forças em articulação com as autoridades egípcias na luta contra o terrorismo" e enviou condolências às famílias das vítimas.

Uma bomba explodiu na igreja quando os fiéis celebravam o Domingo de Ramos, mas o ataque, que deixou ainda quase 70 pessoas feridas, não foi reivindicado.

Os cristãos copta são cerca de 10% da população do Egito e são frequentemente alvo de ataques por parte dos extremistas islâmicos.

O papa Francisco também já condenou hoje o atentado e pediu que "[Deus] converta o coração das pessoas que semeiam o terror, a violência e a morte".

O papa também expressou as suas condolências às famílias das vítimas, aos feridos e aos egípcios, assegurando-lhes que estão nas suas orações, momentos antes de rezar o Angelus na praça de São Pedro, no Vaticano.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.