Hollande expressa solidariedade ao Egipto após ataque a igreja cristã copta

O presidente francês, François Hollande, manifestou hoje solidariedade com o Egipto, após o atentado no interior de uma igreja cristã copta na cidade egípcia de Tanta, norte do Cairo, no qual morreram pelo menos 26 pessoas, segundo a Associated Press.

Numa declaração escrita, após o ataque de hoje, Hollande afirmou que "mais uma vez, o Egipto é atingido por terroristas que querem destruir sua unidade e diversidade".

Hollande sublinhou que a França "mobiliza todas as suas forças em articulação com as autoridades egípcias na luta contra o terrorismo" e enviou condolências às famílias das vítimas.

Uma bomba explodiu na igreja quando os fiéis celebravam o Domingo de Ramos, mas o ataque, que deixou ainda quase 70 pessoas feridas, não foi reivindicado.

Os cristãos copta são cerca de 10% da população do Egito e são frequentemente alvo de ataques por parte dos extremistas islâmicos.

O papa Francisco também já condenou hoje o atentado e pediu que "[Deus] converta o coração das pessoas que semeiam o terror, a violência e a morte".

O papa também expressou as suas condolências às famílias das vítimas, aos feridos e aos egípcios, assegurando-lhes que estão nas suas orações, momentos antes de rezar o Angelus na praça de São Pedro, no Vaticano.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Foi Centeno quem fez descer os juros?

Há dias a agência de notação Standard & Poor's (S&P) subiu o rating de Portugal, levando os juros sobre a dívida pública para os níveis mais baixos de sempre. No mesmo dia, o ministro das Finanças realçava o impacto que as melhorias do rating da República têm vindo a ter nas contas públicas nacionais. A reacção rápida de Centeno teve o propósito óbvio de associar a subida do rating e a descida dos juros às opções de finanças públicas do seu governo. Será justo fazê-lo?