Holandesa detida no Qatar depois de apresentar queixa por violação

Jovem de 22 anos diz ter sido drogada no hotel e percebeu ter sido violada quando acordou. Foi presa por ter sexo fora do casamento

Uma holandesa de 22 anos está detida no Qatar por suspeita de adultério depois de afirmar ter sido violada durante umas férias neste país, disse o seu advogado hoje.

A mulher relatou que foi drogada no hotel e percebeu ter sido violada quando acordou num apartamento que desconhecia.

"Foi presa em março por suspeita de adultério, o que significa ter sexo fora do casamento", referiu o advogado Brian Lokollo, em declarações à rádio holandesa NOS Radio 1.

Uma porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros da Holanda confirmou a detenção mas disse que a jovem não foi acusada.

Daphne Kerremans acrescentou que o processo está a decorrer e as autoridades holandesas estão em contacto com a mulher.

O advogado explicou que o caso respeita a uma viagem que a sua cliente fez em março para um hotel do Qatar onde é permitido o consumo de álcool.

"Ela foi dançar, mas quando regressou à mesa, depois do primeiro gole na sua bebida", percebeu que tinha sido drogada, disse Brian Lokollo.

A jovem não se lembra de mais nada até acordar na manhã seguinte num apartamento que não conhecia perceber que tinha sido violada.

O suspeito de violação também foi preso mas insiste que o que aconteceu naquela noite foi consentido e que a mulher até terá pedido dinheiro.

O advogado afirmou que a mulher "nega totalmente estas acusações".

Está marcada para segunda-feira uma audiência no tribunal e o Ministério dos Negócios Estrangeiros holandês espera uma decisão relativa a qualquer que seja a acusação.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.