H&M obrigada a fechar lojas por causa de protestos anti-racismo

Manifestantes derrubaram manequins e prateleiras e espalharam roupas. Líder do partido da oposição avisou: "Isto é apenas o começo"

A empresa sueca de vestuário H&M foi obrigada a encerrar temporariamente várias lojas na África do Sul, este sábado, depois de vários protestos relacionados com a polémica em torno da camisola "Monkey".

A marca de roupa utilizou um modelo infantil negro para vestir uma camisola em que se lê "o macaco mais fixe da selva", numa fotografia que estava exposta no catálogo online da loja no Reino Unido.

Os manifestantes, apoiantes do segundo maior partido de oposição da África do Sul, Economic Freedom Fighters, reuniram-se nos locais onde existem lojas da H&M, acusando a empresa de racismo.

Vídeos e imagens das manifestações mostram que a revolta chegou ao interior das lojas, onde algumas pessoas derrubaram manequins e prateleiras e espalharam roupas.

A empresa decidiu fechar as lojas para proteger funcionários e clientes, de acordo com o The New York Times.

"Nenhum de nossos funcionários ou clientes ficou ferido", refere a H&M, em comunicado. "Continuamos a monitorizar a situação de perto e abriremos as lojas assim que for seguro. Acreditamos firmemente que o racismo de qualquer forma, deliberada ou acidental, é simplesmente inaceitável", lê-se no documento.

Os protestos tiveram lugar em centros comerciais na Cidade do Cabo e em Pretória, e em várias áreas nas proximidades de Joanesburgo, incluindo Sandton, Midrand e Boksburg. Nas redes sociais, houve quem apoiasse os manifestantes, mas também quem criticasse a destruição nas lojas.

Julius Malema, o líder do partido, que já foi membro do Congresso Nacional Africano, discursou no sábado e inflamou ainda mais a multidão: "Não pedimos desculpa pelo que os combatentes fizeram hoje contra aquela loja chamada H&M", adiantando que as lojas eram "apenas o começo" e apelou ao encerramento da loja "que prejudica os negros".

A imagem da polémica já foi removida do site da H&M e a empresa pediu desculpas, tendo adiantado que a camisola já não se encontra à venda. "O que fizemos foi errado. Concordamos que mesmo o racismo involuntário, passivo ou casual tem de ser erradicado onde quer que exista", pode ler-se no site da marca.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.