Quartel dos "Dragões de Angola" passa a património nacional

O edifício foi construído em 1959 "é um testemunho físico de importantes acontecimentos da história recente" de Angola

O antigo Quartel dos "Dragões de Angola", infantaria a cavalo do Exército português, construído no período colonial no município do Cuíto, na altura conhecido como Silva Porto, foi classificado pelo Governo angolano como Património Histórico-Cultural.

A decisão consta do decreto executivo 58/18 de 20 de abril, assinado pela ministra da Cultura de Angola, Carolina Cerqueira, conferindo a classificação ao imóvel, que ainda alberga funções militares das Forças Armadas Angolanas, na província do Bié.

Em 1966, durante a guerra colonial, partiram deste quartel no centro de Angola as últimas unidades a cavalo de um exército convencional

Segundo informações do decreto-lei acedido pela Lusa, "o Quartel dos Dragões é um edifício de 1959 e um exemplar do movimento modernista, assim como um testemunho físico de importantes acontecimentos da história recente" de Angola.

Em 1966, durante a guerra colonial, partiram deste quartel no centro de Angola as últimas unidades a cavalo de um exército convencional, já numa altura em que o país assistia à mecanização completa de meios. Nesse ano foi constituído um pelotão de Dragões (tradicional infantaria a cavalo), integrado no Grupo de Cavalaria n.º 1 (GCav1), com sede em Silva Porto, atual Cuíto, capital do Bié.

Os designados "Dragões de Angola" chegaram a movimentar cerca de 400 cavalos, importados da Argentina e da África do Sul

O sucesso das unidades criadas para atuar no interior leste de Angola, utilizadas em batidas e no apoio às forças regulares, levou à formação de uma companhia de atiradores de cavalaria dentro do Exército português.

Os designados "Dragões de Angola" chegaram a movimentar cerca de 400 cavalos, importados da Argentina e da África do Sul.

Ler mais