Hillary abandona cerimónia do 11 de Setembro a meio devido a indisposição

ATUALIZADA. Democrata fez depois questão de se deixar fotografar a andar na rua para demonstrar que está bem

A candidata presidencial democrata Hillary Clinton sentiu-se mal durante a cerimónia dos 15 anos do 11 de Setembro, em Nova Iorque, e abandonou o evento a meio. Um porta-voz da campanha disse que Clinton se sentiu mal devido ao excesso de calor e que, por isso, foi para o apartamento da filha Chelsea em Manhattan, mas que já se sente "muito melhor".

Em comunicado, o porta-voz Nick Merrill disse que a antiga secretária de Estado esteve na cerimónia durante 90 minutos para "homenagear e cumprimentar algumas das famílias das vítimas". Clinton saiu a meio da leitura dos nomes das vítimas, um momento que se repete todos os anos.

O momento em que Hillary aparentemente desmaia quando tenta entrar no automóvel que a transportaria para casa da filha foi captado em vídeo e está já a ser utilizado pelos seus adversários como arma política.

Clinton, de 68 anos, tem sido alvo de vários rumores sobre a sua saúde, que passaram de hipóteses discutidas nas redes sociais para as capas dos tabloides e até tiveram lugar no discurso do principal rival, Donald Trump, de 70 anos. Em meados de agosto, Trump disse que Clinton não tinha "a energia e resistência física e mental necessárias" para lutar contra o grupo Estado Islâmico.

Algumas horas mais tarde, Hillary Clinton apareceu junto dos meios de comunicação social e posou para as fotografias, dizendo estar a sentir-se bem.

Hillary Clinton saiu depois do prédio da filha Chelsea e andou um pouco pelo passeio, saudando os transeuntes, em jeito de demonstração de que está tudo bem

Seis momentos de silêncio

Os ataques da Al-Qaeda mataram 2753 pessoas em Nova Iorque, 184 no Pentágono em Washington e 40 no voo 93, que caiu num campo na Pensilvânia, depois de passageiros e tripulantes se terem voltado contra os sequestradores.

O Presidente Barack Obama, que assinalou a data com a sua família na Casa Branca, afirmou hoje, numa cerimónia no Pentágono, que a diversidade é "uma das maiores forças" dos Estados Unidos e que o objetivo dos "terroristas" consiste em dividir o país.

O primeiro dos seis momentos de silêncio previstos nos Estados Unidos foi cumprido às 08:46 (13:46 em Lisboa), a hora a que o primeiro avião embateu na Torre Norte do World Trade Center.

A cerimónia também registou uma interrupção para assinalar a hora a que o segundo avião atingiu a Torre Sul. Outros momentos de silêncio ocorrerão às horas em que cada uma das torres se desmoronou, bem como quando o Pentágono foi atacado e quando o voo 93 se despenhou na Pensilvânia.

Em Nova Iorque, a polícia e familiares dos que morreram no World Trade Center leram, como fazem todos os anos, os nomes das vítimas.

"O 11 de Setembro de 2001 tocou todos os nova-iorquinos, mas os terroristas não levaram a melhor porque 15 anos depois somos fortes e estamos unidos", escreveu o presidente da Câmara de Nova Iorque, Bill de Blasio, na rede social de mensagens curtas Twitter.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.