Hillary declara guerra a Sanders para evitar novo pesadelo no Iowa

Ex-primeira-dama criticou senador por defender direito às armas. Ele atacou-a por causa das ligações a Wall Street

À medida que se aproximam os caucus (assembleias populares) do Iowa - faltam menos de 15 dias -, Hillary Clinton já acusa a pressão. O pior pesadelo da ex-primeira-dama é ver repetir-se o cenário de 2008, quando ficou atrás de Barack Obama e John Edwards no estado que lança as primárias para a escolha dos nomeados dos partidos para as presidenciais de novembro nos EUA. Agora as sondagens dão um empate com Bernie Sanders e foi com isso em mente e decidida a desta vez não deixar ninguém meter-se entre ela e a Casa Branca que Hillary lançou o ataque ao senador no debate de ontem na Carolina do Sul.

A poucos metros da igreja onde em 2015 nove pessoas morreram num tiroteio, Hillary atacou Sanders e a sua defesa das armas. A ex-secretária de Estado recordou que o Vermont, estado que Sanders representa no Senado, tem um dos maiores rácios de armas por habitante e garantiu que no passado o autointitulado socialista democrático votou ao lado do lóbi das armas. Sanders respondeu que a NRA daria "nota negativa" às suas votações e garantiu que apoia totalmente as medidas restritivas apresentadas por Obama.

Mais contida do que é habitual e empenhada em mostrar as contradições do adversário, Hillary, de 68 anos, denunciou ainda o "Medicare para todos" proposto por Sanders para dar um seguro de saúde aos 29 milhões de americanos que ficaram de fora da reforma da saúde de Obama. Segundo a mulher do antigo presidente Bill Clinton, a proposta do senador ameaça a reforma feita por Obama, numa altura em que os republicanos ainda a estão a contestar. "Ninguém está a pôr nada em causa. Estamos a seguir em frente!", garantiu Sanders.

Longe do ambiente de quase camaradagem dos outros debates, Sanders, de 74 anos, gesticulou, abanou a cabeça e até levantou o vozeirão quando acusou Hillary de ser uma aliada dos ricos e poderosos. "Eu não recebo dinheiro dos grandes bancos, não sou pago para discursar na Goldman Sachs", sublinhou o senador. E acrescentou: "Tenho grandes dúvidas sobre pessoas que recebem dinheiro de Wall Street."

Muito apagado - no debate e nas sondagens - esteve Martin O"Malley. O ex-governador, que não passa dos 5% nos estudos de opinião, teve o momento alto da noite quando defendeu o seu currículo à frente do Maryland em termos de limite à venda de armas. "Nunca conheci um caçador que se preze que precise de uma espingarda semiautomática AR-15 para abater um veado", garantiu.

Sanders vencedor?

Empatada com Sanders no Iowa, atrás do senador no New Hampshire - que vai a votos a 9 de fevereiro -, Hillary parece ter vários motivos para preocupação. Mesmo se a nível nacional continua a ter uma vantagem considerável sobre o adversário democrata. Além do mais, os principais meios de comunicação americanos parecem estar de acordo em considerar o veterano Sanders como vencedor do debate na Carolina do Sul. "Sanders brilhou... por vezes ofuscando Hillary num formato que ela domina", escreveu Alex Seitz-Wald, da NBC. Também Conor Friedersdorf, da revista The Atlantic, escreveu: "Vou considerar o debate desta noite como uma vitória de Sanders. Foi melhor do que Clinton." Perante este cenário, Hillary parece apostar tudo na Carolina do Sul, o terceiro estado a realizar primárias, a 27 de fevereiro. Ali, a ex-primeira-dama espera beneficiar do voto da grande comunidade negra, entre a qual é bastante popular.

Vou considerar o debate desta noite como uma vitória de Sanders. Foi melhor do que Clinton

No Iowa e no New Hampshire (este vizinho do Vermont), o discurso antissistema de Sanders conquistou votos, sobretudo entre um eleitorado mais jovem e liberal.

Perigosa aproximação a Obama

Após meses a afastar-se das políticas de Obama - o homem que em 2008 lhe roubou a nomeação democrata e do qual foi depois chefe da diplomacia -, Hillary mudou de estratégia. Pressionada por Sanders, na Carolina do Sul, a ex-primeira-dama defendeu o legado do presidente, sobretudo a sua reforma da segurança social. Uma estratégia que visa conquistar o voto dos mais jovens e da ala progressista do partido, mas que pode virar-se contra ela. Tudo porque se for Hillary a nomeada democrata, o seu adversário republicano - seja ele qual for - não irá hesitar em acusar a ex-chefe da diplomacia de representar, na verdade, um terceiro mandato Obama.

Esquecendo as diferenças com o presidente em assuntos como a Síria, o comércio ou a imigração, neste debate Hillary recordou as horas que passou na Situation Room a aconselhar Obama. As críticas não se fizeram esperar. A Comissão Nacional Republicana recordou um "legado tóxico" e Ric Grenell, ex-porta-voz dos EUA na ONU, garantiu à Reuters que "quando se tem um presidente tão impopular quanto Obama e a sua ex-chefe da diplomacia apoia as suas políticas, é como se ele se apresentasse a um terceiro mandato".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

O planeta dos sustentáveis 

Ao ambiente e ao planeta já não basta a simples manifestação da amizade e da esperança. Devemos-lhes a prática do respeito. Esta é, basicamente, a mensagem da jovem e global ativista Greta Thunberg. É uma mensagem positiva e inesperada. Positiva, porque em matéria de respeito pelo ambiente, demonstra que já chegámos à consciencialização urgente de que a ação já está atrasada em relação à emergência de catástrofes como a de Moçambique. Inesperada (ao ponto do embaraço para todos), pela constatação de que foi a nossa juventude, de facto e pela onda da sua ação, a globalizar a oportunidade para operacionalizar a esperança.