Hillary Clinton ganha na Carolina do Sul

"Vitória fácil" nas primárias no estado da Carolina do Sul. Bernie Sanders já reconheceu a derrota

A ex-secretária de Estado norte-americana Hillary Clinton ganhou as primárias de sábado do Partido Democrático no estado da Carolina do Sul, no âmbito do processo de escolha dos candidatos às eleições presidenciais dos EUA deste ano.

As sondagens divulgadas pelos meios de comunicação locais, após o fim da votação, dão uma "vitória fácil" a Clinton na Carolina do Sul e o seu adversário nesta corrida à nomeação democrata, Bernie Sanders, já reconheceu a derrota e felicitou a ex-secretária de Estado.

Quando estavam contados 10% dos votos, Clinton tinha mais de 76% dos votos.

Bernie Sanders felicitou Clinton pela sua vitória "clara" na Carolina do Sul, mas considerou que agora "o que importa é a 'super terça-feira'", no próximo dia 01 de março, quando 14 estados e territórios norte-americanos, grande parte localizados no sul e no sudoeste do país, votam nas eleições primárias do Partido Democrata e do Partido Republicano.

Até agora, já houve votações nas primárias democratas no Iowa, New Hampshire e Nevada.

Clinton ganhou no Nevada e Sanders em New Hampshire. No caso do 'caucus' (assembleias locais de eleitores) do Iowa, Clinton ganhou por poucas décimas.

Nas primárias democratas são eleitos 53 delegados da Carolina do Sul às convenções nacionais que nomearão o candidato do Partido Democrata nas eleições presidenciais marcadas para novembro deste ano.

No discurso de vitória perante apoiantes, Hillary Clinton agradeceu às mulheres, aos afroamericanos e aos jovens o papel que tiveram nesta sua vitória na Carolina do Sul.

A ex-secretária de Estado acrescentou que se chegar à Casa Branca lutará por mais oportunidades para todos os norte-americanos e contra os abusos das corporações.

Clinton felicitou também Bernie Sanders pela "grande campanha" que está a fazer.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Começar pelas portagens no centro nas cidades

É fácil falar a favor dos "pobres", difícil é mudar os nossos hábitos. Os cidadãos das grandes cidades têm na mão ferramentas simples para mudar este sistema, mas não as usam. Vejamos a seguinte conta: cada euro que um português coloca num transporte público vale por dois. Esse euro diminui o astronómico défice das empresas de transporte público. Esse mesmo euro fica em Portugal e não vai direto para a Arábia Saudita, Rússia ou outro produtor de petróleo - quase todos eles cleptodemocracias.

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.