Hamon divide socialistas. Macron é o mais forte para travar Le Pen

"Todos os partidos estão a adotar um tom populista", diz analista do Science Po ouvida pelo DN. Primeiro-ministro Cazeneuve afirma que a esquerda não terá sucesso se não defender com orgulho legado de Hollande

O Partido Socialista e a direita tradicional podem ver-se sem qualquer candidato na segunda volta das presidenciais francesas. A vitória de Benoît Hamon - ex-ministro da educação de Manuel Valls - nas primárias representou uma guinada do PS à esquerda que deixou insatisfeitos muitos militantes da ala mais moderada. Entretanto, à direita, François Fillon sofreu um duro golpe com o escândalo de uso indevido de fundos públicos que envolve a sua mulher - os dois estiveram ontem a ser interrogados pela polícia. Fazendo fé nas sondagens, poderá ser o independente-ex-socialista Emmanuel Macron a disputar a segunda volta com a populista Marine Le Pen, líder da Frente Nacional.

A última vez que uma das duas principais famílias políticas francesas não se qualificou para a ronda decisiva foi em 2002. Nessa altura, o socialista e primeiro-ministro Lionel Jospin ficou em terceiro lugar, atrás de Jean-Marie Le Pen (pai de Marine). Jacques Chirac venceria o duelo decisivo com 82% dos votos.

Desta vez serão cinco os principais protagonistas da corrida eleitoral. Da direita para a esquerda: a populista Marine Le Pen, o conservador Fillon, o centrista-liberal Macron, o socialista-radical Hamon e, por fim, o esquerdista Jean-Luc Mélenchon. Na mais recente sondagem (ver infografia), divulgada no domingo à noite pelo Le Figaro, Marine Le Pen aparece como a candidata mais forte na primeira volta de 23 de abril com 25%. Em renhida disputa pelo segundo lugar surgem François Fillon (22%) e Emmanuel Macron (21%). Benoît Hamon, em quarto, não recolhe mais do que 15% das eleições de voto.

"É provável que Hamon, durante a campanha, tente, em vão, convencer Macron e Mélenchon a abdicarem em favor da sua candidatura. Se não o conseguir terá um resultado fraco", explica ao DN Florence Faucher, professora de Ciência Política no instituto Science Po, em Paris. "O objetivo de Hamon é marcar uma posição para o seu futuro dentro do PS", acrescenta a especialista.

A vitória de François Fillon e de Hamon nas primárias tem um denominador comum: nem um nem outro eram os candidatos mais conhecidos e à partida mais fortes. Pelo caminho ficaram o ex-presidente Nicolas Sarkozy e Manuel Valls, que deixou o cargo de primeiro-ministro para apresentar a candidatura. Da mesma maneira que os (em teoria) outsiders levaram a melhor sobre os pesos-mais-pesados dentro de cada família política, é possível que a nível nacional os franceses venham a penalizar o centro político mais tradicional (os candidatos apoiados pelo PS e pel"Os Republicanos) em prol de alternativas mais vincadamente antissistema (Le Pen e o ex-socialista Macron). Talvez por isso, para tentar estancar a sangria de apoios, "todos os partidos estão a adotar um tom populista", sublinha Faucher. A politóloga francesa refere que a situação é ainda mais "delicada" para o Partido Socialista, que "está no poder e a ser atacada por vários lados".

No que diz respeito à segunda volta, marcada para 7 de maio, a sondagem indica que Le Pen perderá quer para Fillon quer para Macron. A derrota seria mais pesada contra o dissidente socialista (35%-65%) do que contra o nomeado d"Os Republicanos (40%-60%). Isto mostra que Macron chega mais facilmente no eleitorado de direita do que Fillon no de esquerda. Num eventual duelo entre os dois, Macron levaria a melhor (58%-42%).

"Macron contra Le Pen ou Fillon contra Le Pen são os cenários mais prováveis", defende Florence Faucher. "Mas não é claro o que a esquerda fará nos dois casos. Fillon pode ser visto como mais ligado ao sistema do que Le Pen e por isso motivar uma maior abstenção. Mas Macron é tão centrista que aqueles que se sentem desapontados com Hollande podem preferir não ir votar. De qualquer forma, Macron seria capaz pelo menos de atrair o centro-direita", acrescenta a professora do Science Po.

O primeiro-ministro Bernard Cazeneuve recebeu ontem Benoît Hamon. Garantiu-lhe o apoio, mas também deixou um aviso: "A esquerda não terá sucesso se não assumir com orgulho os resultados da governação de François Hollande".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.