Haiti vai investigar abusos sexuais de funcionários da Oxfam

Versão integral de relatório de 2011 entregue às autoridades de Port-au-Prince. Theresa May considera "inaceitável" o sucedido.

A organização humanitária não governamental Oxfam insiste que nunca procurou camuflar os acontecimentos de 2010 no Haiti, em que funcionários seus e o próprio diretor da ONG neste país, Roland van Hauwermeiren, são acusados de terem recorrido a prostitutas, mas só ontem anunciou a publicação de um relatório do ano seguinte sobre o sucedido naquela época.

O relatório foi resultado de uma investigação interna e esta conclui "não ser possível excluir a hipótese de algumas das prostitutas serem menores de idade". Do documento resulta claro que a ONG não informou o governo haitiano dos factos nem desenvolveu qualquer ação legal contra os seis funcionários e Van Hauwermeiren, pelo contrário, permitindo que este saísse sem qualquer referência ao caso, desde que cooperasse na investigação. Hauwermeiren e mais dois funcionários vieram a demitir-se antes da conclusão da investigação; quatro foram despedidos.

É ainda referido que alguns dos elementos da Oxfam procuraram intimidar uma testemunha. O relatório, de 11 páginas, foi divulgado com partes rasuradas. Uma versão integral foi entregue ao governo haitiano, que anunciou uma investigação própria. A serem acusados, os elementos da Oxfam poderiam ser extraditados ou levados a tribunal nos países de origem.

A Oxfam anunciou, no passado fim de semana, um plano de ação para prevenir futuras situações de abusos. A ONG garantiu ontem ter comunicado às autoridades competentes o nome de todos os funcionários mencionados no relatório. E na nota que acompanha a divulgação do relatório, refere estar, "excecionalmente (...) a publicar estes documentos porque queremos ser o mais transparentes possível sobre as decisões que possamos vir a tomar durante esta investigação" e colmatar "a quebra de confiança resultante" dos factos.

A investigação realizou-se após ter sido recebido, a 12 de julho de 2011, um mail na sede da ONG, mencionando situações de "exploração sexual, fraudes, negligência e nepotismo" na missão da Oxfam.

Numa primeira reação, a primeira-ministra britânica, Theresa May, qualificou como "horrível" e "inaceitável" o que é descrito no documento, considerando os comportamentos em causa "estão aquém dos padrões que devemos esperar de associações caritativas e ONG com quem trabalhamos.

A Oxfam, uma das grandes ONG internacionais, tem atualmente mais de 2500 funcionários e 31 mil voluntários e recebe o equivalente a 36 milhões de euros do governo britânico por ano e quase 68 milhões de euros da União Europeia, também num base anual. Quer Londres quer Bruxelas já tornaram claro que este financiamento pode ser suspenso se não for divulgada toda a verdade sobre o comportamento dos elementos da Oxfam no Haiti.

Os factos em questão sucederam algum tempo depois do terramoto de 12 de janeiro de 2010, em que perderam a vida mais de cem mil pessoas, segundo algumas fontes, ou mais de 300 mil, segundo o governo haitiano. O país foi seriamente devastado, tendo ficado destruídas muitas das suas infraestruturas, já de si inadequadas. Segundo o diário britânico The Times, os elementos da Oxfam convidaram jovens prostitutas para a sede da ONG situada nos arredores de Port-au-Prince, a capital do Haiti, existindo vídeos em que as mulheres e os homens surgem com camisolas com o nome da organização num ambiente descrito por uma fonte do jornal como de "orgia".

Uma das jovens, Mikelange Gabou, disse ao The Times ter tido relações com Van Hauwermeiren naquela altura, tendo ela 16 anos e ele 61 anos. Ainda segundo a haitiana, muitas vezes havia lugar a sexo entre mulheres que vinham pedir emprego ou ajuda à ONG e os funcionários da Oxfam. Em troca, recebiam dinheiro ou bens necessários no dia-a-dia.

No que respeita ao Haiti, não é apenas a Oxfam que se viu acusada de comportamento indigno com a população local. As próprias Nações Unidas, que mantiveram entre junho de 2004 e finais de 2017 uma larga missão no país, viram-se envolvidas em situações de escândalo desde o início. Assim, ainda em 2004, os capacetes azuis (no caso, brasileiros) tiveram uma atuação de um nível de violência desproporcionado num bairros de lata de Port-au-Prince. E após o terramoto de 2010, verifica-se um surto de cólera que causou cerca de dez mil mortos. Veio-se posteriormente a apurar que o surto teve origem no acampamento dos capacetes azuis nepaleses, onde não teriam sido tomadas as apropriadas medidas de higiene. Finalmente, ter-se-ão verificado crimes de exploração sexual, de prostitutas e também menores, envolvendo os capacetes azuis.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?