Haiti é o país com mais mortes devido a castástrofes naturais nos últimos 20 anos

Em todo o mundo, morreram cerca de 1,35 milhões de pessoas por causa de catástrofes naturais entre 1996 e 2015

O Haiti é o país onde houve mais mortes nos últimos 20 anos relacionadas com catástrofes naturais: 229 699, segundo um relatório das Nações Unidas hoje publicado.

As ligações entre pobreza e catástrofes naturais são "muito claras" no caso do Haiti, disse o representante especial das Nações Unidas para a redução dos riscos de catástrofe, Robert Glasser, numa conferência de imprensa.

Em todo o mundo, morreram cerca de 1,35 milhões de pessoas por causa de catástrofes naturais entre 1996 e 2015, segundo o relatório.

A seguir ao Haiti, os países com mais mortes são a Indonésia (182.136), afetada pelo 'tsunami' no Índico em 2004, e a Birmânia (139.515), atingida pelo ciclone Nargis em 2008.

Surgem depois China, Índia, Paquistão, Rússia, Sri Lanka, Irão e Venezuela.

O documento contabiliza sete mil catástrofes naturais no mesmo período e mostra que os sismos e os maremotos ('tsunamis') são os desastres mais mortíferos, seguindo-se aqueles que estão relacionados com o clima, precisa a ONU, num comunicado.

Os países mais ricos têm "enormes perdas económicas" por causa das catástrofes naturais, mas nos países mais pobres "as pessoas pagam com as suas vidas", sublinha o secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-mon, no mesmo comunicado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.