Hackers russos tentam interferir nas eleições do Brasil, diz empresa de cibersegurança

Caso foi descoberto no fim de setembro e a ação continua, afirma empresa especialista em cibersegurança

Hackers russos tentaram interferir nas eleições brasileiras usando as redes sociais para insuflar artificialmente debates que questionam a democracia no país e outros temas temas ligados à disputa presidencial.

A ação de Moscovo foi descoberta pela empresa de cibersegurança FireEye, que costuma trabalhar em conjunto com o governo americano contra ameaças estrangeiras ao país.

A atividade russa foi vista no fim de setembro, incluindo durante a realização de debates presidenciais, disse à Folha a brasileira Cristiana Kittner, principal responsável na empresa por investigar atividades de ciberespionagem.

É a primeira vez que uma ação que pode ser ligada diretamente à Rússia aparece no atual ciclo eleitoral brasileiro. O caso foi descoberto no fim de setembro e a ação continua acontecendo.

O caso encontrado pela FireEye está ligado ao braço brasileiro do grupo Anonymous que se identifica como @anonopsbrazil e que lançou uma campanha no Twitter com a hashtag #OpEleiçãoContraOFascismo".

Os robôs russos - os chamados bots - foram usados então para aumentar o alcance destas publicações, fazendo o assunto ganhar mais relevância nas redes sociais. Em geral, as publicações criticam o modelo democrático e questionam a legitimidade das eleições de domingo.

A técnica é semelhante a outras tentativas russas de interferir em pleitos no mundo, incluindo as eleições legislativas americanas que acontecem em novembro.

"Temos visto atividades de bots russos no Twitter e em outras plataformas ligadas aos debates presidenciais e outros temas ligados a eleição", diz Cristiana Kittner.

"Se é uma pessoa que se informa pelas redes sociais e vê isso, pode ser influenciado. Não é que eles [a Rússia] interfira diretamente nas eleições, mas jogam com sua vulnerabilidade". O objetivo, assim, é questionar o próprio sistema eleitoral brasileiro e "perturbar a democracia", diz a responsável da FireEye.

"Isso não significa que a Rússia esteja diretamente atacando a eleição, mas seus bots estão tentando influenciar o eleitorado e usando as incertezas e a desilusões das pessoas com a democracia". Até o momento a ação russa não teve como alvo um determinado candidato ou assunto, disse Kittner.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?