Russos roubaram informação sobre Trump 

Os piratas informáticos tiveram acesso total à rede interna do Comité Nacional do partido democrata e recolheram informações sobre a oposição republicana

Piratas informáticos russos invadiram a rede do Comité Nacional Democrata e roubaram informações sobre o candidato da oposição republicana, Donald Trump. Os hackers tiveram acesso total à base de dados que incluía pesquisas feitas pelos democratas sobre a oposição republicana e o candidato em específico, segundo o Washington Post.

"Os intrusos comprometeram totalmente o sistema do comité e conseguiram ler todos os e-mails e conversas nos chats", segundo uma fonte do comité democrata e especialistas em segurança. O ataque informático foi confirmado pela porta-voz do comité dos democratas, Debbie Wasserman Schultz.

Alguns dos piratas tiveram acesso à rede interna do comité democrático durante cerca de um ano mas, segundo fontes do comité, houve uma grande limpeza durante o fim de semana que bloqueou o acesso dos hackers.

Os piratas invadiram também alguns computadores do Comité Nacional Republicano e as redes pessoais dos candidatos Hillary Clinton e Donald Trump, mas pouca informação foi revelada sobre estes ataques.

O diretor do serviço de inteligência norte-americano afirmou em maio que já tinham sido detetados sinais de tentativas de ataques informáticos às eleições presidências de 2016. "Já tivemos indicações disso", contou James R. Clapper Jr. ao Washington Post.

Segundo a porta-voz do comité, o caso está a ser encarado com seriedade. "Quando descobrimos a intrusão tratamos do assunto como o incidente grave que é", afirmou Wasserman Schultz. "A nossa equipa agiu tão rapidamente como possível para expulsar os intrusos e garantir a segurança da nossa rede".

A embaixada da Rússia nos Estados Unidos, questionada pelo Washington Post, disse não ter nenhuma informação sobre o caso.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.