Russos roubaram informação sobre Trump 

Os piratas informáticos tiveram acesso total à rede interna do Comité Nacional do partido democrata e recolheram informações sobre a oposição republicana

Piratas informáticos russos invadiram a rede do Comité Nacional Democrata e roubaram informações sobre o candidato da oposição republicana, Donald Trump. Os hackers tiveram acesso total à base de dados que incluía pesquisas feitas pelos democratas sobre a oposição republicana e o candidato em específico, segundo o Washington Post.

"Os intrusos comprometeram totalmente o sistema do comité e conseguiram ler todos os e-mails e conversas nos chats", segundo uma fonte do comité democrata e especialistas em segurança. O ataque informático foi confirmado pela porta-voz do comité dos democratas, Debbie Wasserman Schultz.

Alguns dos piratas tiveram acesso à rede interna do comité democrático durante cerca de um ano mas, segundo fontes do comité, houve uma grande limpeza durante o fim de semana que bloqueou o acesso dos hackers.

Os piratas invadiram também alguns computadores do Comité Nacional Republicano e as redes pessoais dos candidatos Hillary Clinton e Donald Trump, mas pouca informação foi revelada sobre estes ataques.

O diretor do serviço de inteligência norte-americano afirmou em maio que já tinham sido detetados sinais de tentativas de ataques informáticos às eleições presidências de 2016. "Já tivemos indicações disso", contou James R. Clapper Jr. ao Washington Post.

Segundo a porta-voz do comité, o caso está a ser encarado com seriedade. "Quando descobrimos a intrusão tratamos do assunto como o incidente grave que é", afirmou Wasserman Schultz. "A nossa equipa agiu tão rapidamente como possível para expulsar os intrusos e garantir a segurança da nossa rede".

A embaixada da Rússia nos Estados Unidos, questionada pelo Washington Post, disse não ter nenhuma informação sobre o caso.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.