Há uma corrente #MeToo em Espanha. Chama-se La Caja de Pandora e é (quase) secreta

Artistas criaram uma conta privada no Facebook onde estão a reunir denúncias sobre agressores sexuais no meio cultural e académico. "Estamos a criar uma rede para a América Latina", alertam

Chama-se La Caja de Pandora (A Caixa de Pandora) e dela já fazem parte 3.000 mulheres das artes e da literatura espanhola que reúnem testemunhos de abusos sexuais numa conta privada no Facebook. Algumas contam casos de que foram vítimas e outras apoiam estas mulheres que confessam, validando as suas histórias e o seu sofrimento. Por agora, tudo se passa em privado, mas a plataforma já fez saber que há um nome que é repetido pelas mulheres e que as outras estão a preparar-se para o revelar quando chegar a altura certa.

O grupo, que já é chamado de o #MeToo espanhol, contam o El País e o El Español, formou-se ainda antes das denúncias acerca do produtor de Hollywood, Harvey Weinstein, em outubro do ano passado, que pouco depois deram origem ao movimento #MeToo.

O grupo teve o seu início no verão de 2017, pouco depois da artista espanhola Carmen Tomé ter denunciado que tinha sido vítima de abuso por Javier Duero, um professor convidado que estava em Las Cigarreras, Alicante, na mesma altura em que Tomé participava numa residência artística.

A artista leu publicamente a queixa que apresentou contra o professor, onde contou que os "toques" aconteceram na lavandaria do edifício onde decorria a residência, e que, meia hora depois do sucedido, o agressor terá pedido desculpas, justificando que "não via a companheira há muito tempo e estava a subir paredes". O caso chegou a tribunal e o professor negou tudo, mas o julgamento continua.

"Ela não ficará sozinha no julgamento", dizem as mulheres do grupo La Caja de Pandora.

"A grandeza deste grupo é que os testemunhos foram recolhidos de mulheres de todas as idades, alguns casos já prescreveram, mas outros não. Incluem diretores e curadores de museus, bem como artistas. Fizemos uma rede para a América Latina ". Uma enorme rede, que as surpreendeu no início, mas que tem crescido.

"Há muita dor e casos terríveis e temos de as enviar para consultas psiquiátricas, porque elas precisam de ajuda", explicou uma das mulheres envolvidas no grupo ao jornal ao El País.

A pergunta impõe-se. Porque não denunciam publicamente todos esses casos tal como fizeram as atrizes e outras artistas norte-americanas?

"Vamos com calma, queremos mudar a estrutura e esta é uma fase para reunir dados e confissões, porque sabemos de casos em que os agressores foram julgados e venceram. Houve mulheres que tiveram de abandonar a universidade, mas os seus agressores continuam lá", revela o membro do grupo La Caja de Pandora.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.