Há uma BBC a anunciar o fim do mundo. Mas não é a verdadeira

Vídeo falso circula há dois anos no YouTube. BBC real já descansou o público de que tudo não passa de uma farsa

Um vídeo falso publicado no YouTube mostra um cenário da BBC enquanto um suposto jornalista anuncia um ataque nuclear que atingiu o Reino Unido está a sobressaltar alguns internautas. O que obrigou a verdadeira BBC a denunciar, na quinta-feira, a existência deste vídeo falso.

"Não é real, mas está a alarmar espectadores que já contactaram a BBC, aparentemente convencidos que é real", refere a estação de televisão numa notícia publicada ontem.

O facto de a notícia ser dada com um cenário que simula o da BBC terá assustado algumas pessoas, que viram as imagens através de uma mensagem divulgada através do WhatsApp. Já que no YouTube, a empresa que colocou o vídeo explicava que se tratava de uma ficção. Entretanto a sua conta foi apagada, embora o vídeo ainda esteja disponível.

A notícia obrigou a BBC a garantir que não estava a anunciar o fim do mundo.

No, the BBC is not reporting the end of the world

No vídeo, uma voz off anuncia a interrupção da emissão para passar para a BBC que daria conta de uma notícia de última hora. O apresentador depois anuncia "um grave incidente entre a Rússia e a Nato". Daí vai escalando até um ponto em que a família real é retirada do palácio e começa uma guerra nuclear.

A estação de televisão lembra que embora os logos sejam usados na emissão, tem um tipo de letra, estilo e disposição é muito diferente do original.

Ler mais

Premium

Ricardo Paes Mamede

O FMI, a Comissão Europeia e a direita portuguesa

Os relatórios das instituições internacionais sobre a economia e a política económica em Portugal são desde há vários anos uma presença permanente do debate público nacional. Uma ou duas vezes por ano, o FMI, a Comissão Europeia (CE), a OCDE e o Banco Central Europeu (BCE) - para referir apenas os mais relevantes - pronunciam-se sobre a situação económica do país, sobre as medidas de política que têm vindo a ser adotadas pelas autoridades nacionais, sobre os problemas que persistem e sobre os riscos que se colocam no futuro próximo. As análises que apresentam e as recomendações que emitem ocupam sempre um lugar destacado na comunicação social no momento em que são publicadas e chegam a marcar o debate político durante meses.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.