Há mil vezes mais diamantes debaixo da Terra, mas não conseguimos lá chegar

Investigadores avaliavam atividade sísmica mundial quando detetaram uma falha nos registos: eram pedras preciosas

Encontrar um diamante debaixo da terra pode ser muito mais fácil do que imaginávamos. Na verdade, as pedras preciosas são mil vezes mais comuns do que se pensava, de acordo com o Massachusetts Institute of Technology - MIT

A descoberta foi revelada após um estudo de uma equipa interdisciplinar de investigadores que usaram uma tecnologia normalmente utilizada para medir sismos. Aquilo que julgaram ser um erro no registo de dados sísmicos, era afinal a revelação de que existe um trilião de diamantes debaixo dos nossos pés. Em números: 1000 000 000 000 000 de cristais estão escondidos no âmago da Terra.

Mas não espere uma corrida desenfreada ao tesouro: os depósitos de diamantes encontram-se entre 144 mil a 241 mil quilómetros de profundidade e a tecnologia atual não permite extrair pedras que se encontrem tão longe da superfície.

Foi uma anomalia que revelou o tesouro

Os investigadores não estavam à procura de uma fortuna sob os nossos pés, mas sim a monitorizar a atividade sísmica, quando detetaram uma anomalia nos dados recolhidos.

Segundo um comunicado do MIT, "nas últimas décadas, agências como a United States Geological Survey mantiveram registos globais de atividade sísmica - ondas sonoras que viajam pela Terra e que são desencadeadas por terramotos, tsunamis, explosões e outras fontes". Recetores sísmicos em todo o mundo captam essas ondas sonoras, em várias velocidades e intensidades, e essa informação é utilizada por sismólogos para determinar qual a origem de um tremor de terra, por exemplo.

As ondas sonoras movem-se em várias velocidades através da Terra, dependendo da temperatura, densidade e composição das rochas pelas quais viajam. Os cientistas usaram essa relação entre a velocidade sísmica e a composição das rochas para estimar os tipos de rochas que compõem a crosta terrestre.

No entanto, ao usarem os dados sísmicos para mapear o interior da Terra, não conseguiram explicar uma "curiosa anomalia": as ondas sonoras aceleravam quando passavam pelas raízes dos antigos crátons - massas de rocha, em forma de montanhas invertidas, e que se podem estender até 320 quilómetros através da crosta terrestre - os geólogos referem-se a estas secções mais profundas como "raízes", que correspondem às partes mais antigas das placas tectónicas continentais. Estas massas são mais frias e menos densas que as rochas em volta e por isso produzem ondas sonoras mais rápidas.

'Há um problema', pensaram os cientistas. "Foi assim que este projeto começou", conta Ulrich Faul, investigador sénior do MIT

Os cientistas perceberam que as ondas ficavam ainda mais velozes quando se deslocavam pelo fundo dessas raízes e decidiram investigar. O som viaja pelo diamante duas vezes mais rápido do que pelas outras rochas e por isso a equipa simulou, com diamantes, o que acontecia nas profundezas da Terra.

A equipa aumentou as quantidades de diamante nas rochas virtuais até que conseguiram alcançar uma combinação que produzia as mesmas velocidades detetadas quando os cientistas usaram a tecnologia sísmica no cenário real.

O tipo de rocha que produziu as mesmas velocidades que os sismólogos mediram contém de 1 a 2% de diamante e este cenário representa pelo menos 1 000 vezes mais diamante do que se calculava existir debaixo da Terra.

"Isto mostra que o diamante não é esse mineral exótico. Na escala [geológica] das coisas, é relativamente comum", afirma Faul, frisando: "não podemos chegar lá, mas ainda assim há muito mais diamantes do que pensávamos".

Chegar à conclusão de que parte das raízes cratónicas é feita de diamante faz sentido para Ulrich Faul. Os diamantes são forjados no ambiente de alta pressão e alta temperatura da Terra e só se aproximam da superfície através de erupções vulcânicas que ocorrem poucas vezes em milhões de anos.

Essas erupções esculpem "tubos" geológicos feitos de um tipo de rocha chamada kimberlito (em homenagem à cidade de Kimberley, na África do Sul, onde os primeiros diamantes deste tipo de rocha foram encontrados). É pelos canos de kimberlito que os diamantes chegam à superfície da Terra.

A maior parte destes tubos foram encontrados no Canadá, Sibéria, Austrália e África do Sul. Faz sentido, então, que as raízes cratónicas contenham algum diamante na sua composição. "É uma evidência circunstancial, mas juntámos tudo", diz Faul.

"Testámos diferentes possibilidades e essa é a única explicação razoável", afirma o investigador.

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.