Guterres já tem equipa de transição, português entre conselheiros

Equipa será liderada pela sul-coreana Kyung-wha Kang

A pouco mais de dois meses de assumir funções, António Guterres, designado secretário-geral das Nações Unidas, já tem uma equipa de transição, com cinco pessoas, entre as quais o diplomata português João Madureira.

Numa "nota aos correspondentes" datada de sexta-feira, o Gabinete do Porta-voz das Nações Unidas divulgou um comunicado da autoria da "equipa de transição do secretário-geral designado", que será liderada pela sul-coreana Kyung-wha Kang.

Vice de Guterres no Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), Kyung-wha Kang é atualmente vice-coordenadora para a ajuda de emergência e assistente do ainda secretário-geral, Ban Ki-moon, para assuntos humanitários.

A equipa, que vai ajudar Guterres a preparar-se para assumir funções a partir de 01 de janeiro de 2017, integra outras quatro pessoas, uma porta-voz e três conselheiros (dois homens e uma mulher).

Entre os conselheiros está o português João Madureira, diplomata de carreira que integra atualmente a missão permanente de Portugal junto das Nações Unidas.

A porta-voz de Guterres, pelo menos até final do ano, será Melissa Fleming, dos Estados Unidos, que também vem do ACNUR, onde era chefe do departamento de comunicação e porta-voz.

Os restantes dois conselheiros são Michelle Gyles-McDonnough (Jamaica), advogada e vice-diretora para a região Ásia-Pacífico, e Radhouane Nouicer (Tunísia), com extensa experiência como diretor do ACNUR para a região do Médio Oriente e Norte de África e atualmente conselheiro para a crise humanitária no Iémen.

"A equipa de transição vai dialogar com representantes das Nações Unidas, dos Estados-membros e da sociedade civil para garantir uma informada e suave transição", esclarece a equipa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.