Guterres já tem equipa de transição, português entre conselheiros

Equipa será liderada pela sul-coreana Kyung-wha Kang

A pouco mais de dois meses de assumir funções, António Guterres, designado secretário-geral das Nações Unidas, já tem uma equipa de transição, com cinco pessoas, entre as quais o diplomata português João Madureira.

Numa "nota aos correspondentes" datada de sexta-feira, o Gabinete do Porta-voz das Nações Unidas divulgou um comunicado da autoria da "equipa de transição do secretário-geral designado", que será liderada pela sul-coreana Kyung-wha Kang.

Vice de Guterres no Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), Kyung-wha Kang é atualmente vice-coordenadora para a ajuda de emergência e assistente do ainda secretário-geral, Ban Ki-moon, para assuntos humanitários.

A equipa, que vai ajudar Guterres a preparar-se para assumir funções a partir de 01 de janeiro de 2017, integra outras quatro pessoas, uma porta-voz e três conselheiros (dois homens e uma mulher).

Entre os conselheiros está o português João Madureira, diplomata de carreira que integra atualmente a missão permanente de Portugal junto das Nações Unidas.

A porta-voz de Guterres, pelo menos até final do ano, será Melissa Fleming, dos Estados Unidos, que também vem do ACNUR, onde era chefe do departamento de comunicação e porta-voz.

Os restantes dois conselheiros são Michelle Gyles-McDonnough (Jamaica), advogada e vice-diretora para a região Ásia-Pacífico, e Radhouane Nouicer (Tunísia), com extensa experiência como diretor do ACNUR para a região do Médio Oriente e Norte de África e atualmente conselheiro para a crise humanitária no Iémen.

"A equipa de transição vai dialogar com representantes das Nações Unidas, dos Estados-membros e da sociedade civil para garantir uma informada e suave transição", esclarece a equipa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.