Guterres adverte em Israel que antissemitismo continua vivo no mundo

Durante uma visita ao museu do Holocausto em Israel, o secretário-geral da ONU prometeu combater todas as formas de racismo e de fanatismo

O secretário-geral da ONU, António Guterres, advertiu esta segunda-feira que o antissemitismo continua vivo no mundo e prometeu combater todas as formas de racismo e de fanatismo, durante uma visita ao museu do Holocausto em Israel.

"Penso que o horror do Holocausto foi tal que o antissemitismo devia estar morto para sempre", disse Guterres no Yad Vashem em Jerusalém, adiantando ter ficado chocado "ao ouvir o canto de um grupo de neonazis num país desenvolvido do mundo, entoando 'sangue e solo', o slogan dos nazis".

Guterres chegou no domingo para uma visita de três dias a Israel e aos territórios palestinianos, a primeira desde que assumiu funções em janeiro.

O secretário-geral das Nações Unidas já esteve com o presidente israelita, Reuven Rivlin, que pediu a António Guterres para conter o que descreveu como "a discriminação contra Israel" por parte de algumas agências da ONU.

Não se trata da primeira vez que Israel critica o tratamento que lhe é dado pelas Nações Unidas, organização que aprova muitas vezes comunicados condenando a política de colonização israelita, que considera um obstáculo para a paz na região.

Guterres salientou o seu compromisso com a imparcialidade, de "tratar todos os Estados com igualdade", adiantando que aqueles que apelam à destruição de Israel se dedicam a uma "forma moderna de antissemitismo".

Disse ainda que nem sempre concorda com as políticas do governo de Israel, como acontece com outros governos.

Guterres deve encontrar-se hoje com o primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, com o ministro da Defesa, Avigdor Lieberman e com o líder da oposição Isaac Herzog.

Na terça-feira tem previsto um encontro com o primeiro-ministro palestiniano Rami Hamdallah, na Cisjordânia, e na quarta-feira deverá deslocar-se à faixa de Gaza para visitar projetos da ONU no enclave.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Saúde

Empresa de anestesista recebeu meio milhão de euros num ano

Há empresas (muitas vezes unipessoais) onde os anestesistas recebem o dobro do oferecido no Serviço Nacional de Saúde para prestarem serviços em hospitais públicos carenciados. Aquilo que a lei prevê como exceção funciona como regra em muitas unidades hospitalares. Ministério diz que médicos tarefeiros são recursos de "última instância" para "garantir a prestação de cuidados de saúde com qualidade a todos os portugueses".