Guia amadora que mostrava a sua terra aos turistas ameaçada com multa de 600 mil euros

Espanhola de 50 anos tinha conta no GuruWalk a oferecer passeios por Vilafamés na Comunidade Valenciana. Mas como não possuía habilitação oficial de guia turístico recebeu uma ameaça de multa que vai até aos 600 mil euros

O caso faz lembrar de imediato conflitos como os dos táxis versus uber ou dos hotéis versus airbnb. Susana Meseguer foi ameaçada com uma multa que pode ir dos 100 mil aos 600 mil euros por fazer de guia turístico na sua terra sem ter a habilitação necessária oficial passada pelas autoridades para o efeito.

Isso mesmo diz a carta que recebeu, a 19 de julho, da Generalitat da Comunidade Valenciana. A missiva tem como remetente o Serviço de Turismo de Castellón, província à qual pertence Vilafamés, o município que Susana mostrava aos turistas. E refere que, durante uma inspeção da câmara e do gabinete de turismo de Vilafamés, uma terra com 1852 habitantes, foi detetado que Susana, de 50 anos, oferecia serviços de guia turístico através do site GuruWalk "de forma habitual, todos os dias, em três horários diferentes, mediante pagamento".

Face a isso, sublinha a carta, citada esta quinta-feira pelo site do El País, foi dado a Susana um prazo de 10 dias úteis para fazer prova da sua habilitação profissional ou então abandonar a atividade de guia turístico. Caso contrário, face à lei do turismo aprovada em junho pela Generalitat da Comunidad Valenciana, incorre numa multa de até 600 mil euros. Regra geral, em todas as comunidades autonómicas de Espanha, exceto Navarra, Catalunha e Madrid, é exigida habilitação profissional para exercer a profissão de guia turístico em lugares protegidos.

Em junho, refere o mesmo jornal espanhol, foram atribuídas licenças de guia turístico a 249 pessoas na Comunidade Valenciana. Entre os testes a superar estão, por exemplo, um exame de inglês e outras provas orais e escritas.

Desempregada, Susana ofereceu-se para mostrar Vilafamés aos turistas no GuruWalk, numa conta que entretanto desativou. No seu perfil de Facebook tem publicações de nível Público em que leem reviews positivas por parte dos turistas. Segundo o El País, a guia turística amadora acredita ter sido alvo de denúncia, embora as autoridades competentes o neguem e garantam que o seu caso foi detetado no âmbito de uma campanha de luta contra os abusos no setor do turismo, o que inclui por exemplo vigilância apertada sobre o aluguer de apartamentos turísticos.

"Não é como eles dizem. Era uma coisa esporádica, tipo hobby, porque encanta-me a minha terra, os passeios em que contava histórias e anedotas. Sempre sublinhando que não sou guia turístico oficial. O máximo que ganhava eram 60 euros por mês. Se me tivessem telefonado, eu podia ter esclarecido tudo, mas não o fizeram", lamenta, em declarações ao El País.

Apesar do que considera ser um revés, Susana não baixa os braços e, depois disso, criou um novo projeto: REB - aluguer de bicicletas elétricas para percorrer, com a ajuda de um GPS incorporado e pré-programado com rotas turísticas, a zona que ela classifica como "uma maravilha" e "uma pequena Toscânia".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).