Guerra comercial. China garante que "não vai disparar o primeiro tiro"

A China ameaçou aplicar taxas no valor de 34 mil milhões de dólares sobre produtos provenientes dos EUA, a partir de 6 de julho, depois de Washington avisar que vai penalizar as exportações chinesas a partir da mesma data

A disputa comercial está prestes a subir de tom entre a China e os EUA. Os dois países ameaçaram aumentar os impostos sobre as importações a partir de 6 de julho, sexta-feira, mas a China garante que não ser a primeira a entrar nesta "guerra", apesar das 12 horas de diferença horária entre os dois países.

"Nós não vamos disparar o primeiro tiro e não vamos implementar medidas tarifárias antes dos EUA"

A garantia foi dada esta quarta-feira através de um comunicado do Ministério das Finanças chinês, avança a Reuters. "Nós não vamos disparar o primeiro tiro e não vamos implementar medidas tarifárias antes dos Estados Unidos", lê-se no documento, que não refere mais pormenores sobre a disputa comercial entre os dois países.

A China anunciou que vai aumentar em 25% os impostos sobre produtos provenientes dos EUA, no valor de 34 mil milhões de dólares, que incluem produtos agrícolas e do setor automóvel que entrem no mercado chinês. As autoridades chinesas anunciaram que as novas taxas vão entrar em vigor a partir de 6 de julho. A decisão surge depois de os EUA ameaçarem penalizar cerca de 1300 produtos chineses - de vários setores como a robótica, tecnologias de informação e comunicação - com o aumento de 25% das taxas alfandegárias, que vão entrar em vigor precisamente na mesma data.

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores chinês, Lu Kang, afirmou, no entanto, que o país "está totalmente preparado" para adotar um pacote de medidas necessárias" para salvaguardar os interesses da China

Devido às 12 horas de diferença entre os dois países, as tarifas chinesas aos produtos provenientes dos EUA poderiam ser aplicadas mais cedo, mas a China assegura que não o vai fazer antes de Washington.

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores chinês, Lu Kang, afirmou, no entanto, que o país "está totalmente preparado" para adotar um pacote de medidas necessárias" para salvaguardar os interesses da China.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.