Guerra comercial. China garante que "não vai disparar o primeiro tiro"

A China ameaçou aplicar taxas no valor de 34 mil milhões de dólares sobre produtos provenientes dos EUA, a partir de 6 de julho, depois de Washington avisar que vai penalizar as exportações chinesas a partir da mesma data

A disputa comercial está prestes a subir de tom entre a China e os EUA. Os dois países ameaçaram aumentar os impostos sobre as importações a partir de 6 de julho, sexta-feira, mas a China garante que não ser a primeira a entrar nesta "guerra", apesar das 12 horas de diferença horária entre os dois países.

"Nós não vamos disparar o primeiro tiro e não vamos implementar medidas tarifárias antes dos EUA"

A garantia foi dada esta quarta-feira através de um comunicado do Ministério das Finanças chinês, avança a Reuters. "Nós não vamos disparar o primeiro tiro e não vamos implementar medidas tarifárias antes dos Estados Unidos", lê-se no documento, que não refere mais pormenores sobre a disputa comercial entre os dois países.

A China anunciou que vai aumentar em 25% os impostos sobre produtos provenientes dos EUA, no valor de 34 mil milhões de dólares, que incluem produtos agrícolas e do setor automóvel que entrem no mercado chinês. As autoridades chinesas anunciaram que as novas taxas vão entrar em vigor a partir de 6 de julho. A decisão surge depois de os EUA ameaçarem penalizar cerca de 1300 produtos chineses - de vários setores como a robótica, tecnologias de informação e comunicação - com o aumento de 25% das taxas alfandegárias, que vão entrar em vigor precisamente na mesma data.

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores chinês, Lu Kang, afirmou, no entanto, que o país "está totalmente preparado" para adotar um pacote de medidas necessárias" para salvaguardar os interesses da China

Devido às 12 horas de diferença entre os dois países, as tarifas chinesas aos produtos provenientes dos EUA poderiam ser aplicadas mais cedo, mas a China assegura que não o vai fazer antes de Washington.

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores chinês, Lu Kang, afirmou, no entanto, que o país "está totalmente preparado" para adotar um pacote de medidas necessárias" para salvaguardar os interesses da China.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Escapar à Síria para voltar à Arménia de onde os avós fugiram

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.