Guatemala ordena expulsão do 'barco do aborto' e tripulação

Organização não-governamental holandesa "Women on Waves", que faz abortos gratuitos em águas internacionais, já anunciou que vai recorrer da expulsão

A Guatemala ordenou a expulsão do 'barco do aborto' da organização não-governamental holandesa "Women on Waves", que realiza abortos gratuitos pelo mundo em águas internacionais.

Em comunicado, as autoridades de migração guatemaltecas indicaram que a expulsão estende-se à tripulação do navio-clínica operado pela ONG, que viaja pelo mundo oferecendo serviços de aborto a mulheres de países em que o procedimento é ilegal.

A legislação da Guatemala proíbe o aborto e permite ao governo expulsar estrangeiros com base na perceção de que estão em causa riscos para os interesses e segurança nacional ou pública do país.

Os militares da Guatemala impediram anteriormente o grupo de ir buscar mulheres ao porto de Quetzal, onde o navio-clínico se encontra, argumentando que estavam a cumprir as instruções do Presidente do país, Jimmy Morales, para não permitir essa atividade.

A porta-voz da "Women on Waves", Leticia Zenevich, explicou antes que escolheram a Guatemala como o primeiro país para visitar na América Latina por causa da força que têm as suas organizações de mulheres.

Num comentário publicado num blogue, a organização diz estar a recorrer da ordem de expulsão, argumentando que não praticou qualquer ato ilegal.

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.