Guatemala ordena expulsão do 'barco do aborto' e tripulação

Organização não-governamental holandesa "Women on Waves", que faz abortos gratuitos em águas internacionais, já anunciou que vai recorrer da expulsão

A Guatemala ordenou a expulsão do 'barco do aborto' da organização não-governamental holandesa "Women on Waves", que realiza abortos gratuitos pelo mundo em águas internacionais.

Em comunicado, as autoridades de migração guatemaltecas indicaram que a expulsão estende-se à tripulação do navio-clínica operado pela ONG, que viaja pelo mundo oferecendo serviços de aborto a mulheres de países em que o procedimento é ilegal.

A legislação da Guatemala proíbe o aborto e permite ao governo expulsar estrangeiros com base na perceção de que estão em causa riscos para os interesses e segurança nacional ou pública do país.

Os militares da Guatemala impediram anteriormente o grupo de ir buscar mulheres ao porto de Quetzal, onde o navio-clínico se encontra, argumentando que estavam a cumprir as instruções do Presidente do país, Jimmy Morales, para não permitir essa atividade.

A porta-voz da "Women on Waves", Leticia Zenevich, explicou antes que escolheram a Guatemala como o primeiro país para visitar na América Latina por causa da força que têm as suas organizações de mulheres.

Num comentário publicado num blogue, a organização diz estar a recorrer da ordem de expulsão, argumentando que não praticou qualquer ato ilegal.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).