Trump: Estado Islâmico "vai pagar caro" por qualquer ataque aos EUA

Estado Islâmico reivindicou ataque que matou oito pessoas em Manhattan

O Presidente norte-americano, Donald Trump, prometeu hoje que o grupo Estado Islâmico (EI) "pagará caro" qualquer ataque contra os Estados Unidos.

A promessa, feita no Twitter, surge depois de os jihadistas terem reivindicado o atentado de terça-feira em Nova Iorque, que provocou a morte a oito pessoas.

Segundo Trump, os militares norte-americanos "atacaram muito duramente" o grupo EI nos dois últimos dias.

"O EI assegura que o animal degenerado que matou e feriu gravemente gente maravilhosa no West Side (em Manhattan) era um seu 'soldado'. Por causa disso, o exército (norte-americano) bombardeou mais duramente o EI nos últimos dois dias. Pagarão caro por cada ataque contra nós", escreveu Trump.

O grupo Estado Islâmico afirmou quinta-feira que o autor do atentado de terça-feira, Sayfullo Saipov, um cidadão uzbeque que chegou em 2010 aos Estados Unidos, é um dos seus "soldados".

"Um dos soldados do Estado Islâmico atacou os cruzados numa rua de Nova Iorque", indicou o grupo EI num comunicado publicado no seu órgão de propaganda "online", o Al-Naba.

"Pela graça de Alá, a operação desencadeou o medo na América dos cruzados, pondo em causa as medidas de segurança e a intensificação dos dispositivos contra os imigrantes na América", lê-se no comunicado.

Nos primeiros interrogatórios, o atacante jihadista, de 29 anos, ferido e detido depois pela polícia, explicou ter agido "em nome do EI" e declarou-se "orgulhoso" do ato, afirmando ainda quer gostava de ter uma bandeira daquela organização terrorista no quarto do hospital.

No Twitter, Trump expressou-se já por duas vezes para reclamar a pena de morte para Sayfullo Saipov.

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.