Trump: Estado Islâmico "vai pagar caro" por qualquer ataque aos EUA

Estado Islâmico reivindicou ataque que matou oito pessoas em Manhattan

O Presidente norte-americano, Donald Trump, prometeu hoje que o grupo Estado Islâmico (EI) "pagará caro" qualquer ataque contra os Estados Unidos.

A promessa, feita no Twitter, surge depois de os jihadistas terem reivindicado o atentado de terça-feira em Nova Iorque, que provocou a morte a oito pessoas.

Segundo Trump, os militares norte-americanos "atacaram muito duramente" o grupo EI nos dois últimos dias.

"O EI assegura que o animal degenerado que matou e feriu gravemente gente maravilhosa no West Side (em Manhattan) era um seu 'soldado'. Por causa disso, o exército (norte-americano) bombardeou mais duramente o EI nos últimos dois dias. Pagarão caro por cada ataque contra nós", escreveu Trump.

O grupo Estado Islâmico afirmou quinta-feira que o autor do atentado de terça-feira, Sayfullo Saipov, um cidadão uzbeque que chegou em 2010 aos Estados Unidos, é um dos seus "soldados".

"Um dos soldados do Estado Islâmico atacou os cruzados numa rua de Nova Iorque", indicou o grupo EI num comunicado publicado no seu órgão de propaganda "online", o Al-Naba.

"Pela graça de Alá, a operação desencadeou o medo na América dos cruzados, pondo em causa as medidas de segurança e a intensificação dos dispositivos contra os imigrantes na América", lê-se no comunicado.

Nos primeiros interrogatórios, o atacante jihadista, de 29 anos, ferido e detido depois pela polícia, explicou ter agido "em nome do EI" e declarou-se "orgulhoso" do ato, afirmando ainda quer gostava de ter uma bandeira daquela organização terrorista no quarto do hospital.

No Twitter, Trump expressou-se já por duas vezes para reclamar a pena de morte para Sayfullo Saipov.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.